Não consegue ver correctamente? Abra no Browser.

Newsletter N.º 187

Depois de ultrapassados os oitavos-de-final da Liga Europa, realizou-se o sorteio onde quer FC Porto quer Benfica tiveram adversários acessíveis. Falta agora que esse favoritismo passe do papel para o campo de forma a serem alcançadas as meia-finais.

A jornada 24.ª "prometia" dificuldades particularmente ao Sporting na sua deslocação à Madeira, enquanto FC Porto e Benfica a jogar em casa tinham tarefas aparentemente mais fáceis. Nada de especial aconteceu, os três ganharam, pelo que na frente nada de novo. Apenas menos uma jornada...

Na Taça de Portugal na deslocação do Benfica ao Dragão para a 1.ª mão, Jorge Jesus optou por deixar de fora 6 habituais titulares. Vitória sem discussão do FC Porto que fez do jogo um ponto de honra, com os encarnados muito abaixo daquilo de que são capazes.

Segue-se Braga e aí sim está o foco principal, pelo que é legítimo pensar na vitória para dar mais um passo importante rumo ao título.


Dia 22

Alexandre Pais - Jornalista no Record; «Se não se encontrarem nas "meias", Benfica e FC Porto têm boas hipóteses de ser os finalistas da Liga Europa. Até a Juventus, o mais difícil dos possíveis adversários, não é superior a águias e dragões, pelo que o que importa agora é ultrapassar nos "quartos" os dois melhores opositores que podiam ter calhado, ambos sétimos classificados nas suas ligas. (...)»

Bernardo Ribeiro - Sub-Chefe de Redacção do Record; «(...) A consolidação do projeto desportivo, a capacidade de passar das palavras aos atos nas muitas frentes de batalha abertas, de manter o rumo entre Pinto da Costa e Vieira, mais experientes. A tarefa não é fácil, mas o homem que mudou o leão tem também ele de crescer. (...)»

Fernando Guerra - Sub-Director de A Bola; «Os sorteios são o que são. Não vale a pena escolher opositor por antecipação. Jesus, eliminado o Tottenham em noite de sustos que não constavam do programa de festas, desejou não encarar a Juventus na eliminatória seguinte. Luís Castro depois do fantástico desempenho en Itália, teve um discurso simples; assumida que está a pretensão de vencer a Liga Europa, o que lhe interessa, mo imediato, é o jogo com o Belenenses... da 24.ª jornada. (...)»

Dia 23

José Manuel Meirim - Especialista em Direito Desportivo, em A Bola; «(...) Por outro lado, e muito longe de esgotar o estudo deste caso, da leitura que fazemos do comunicado do Sporting parece retirar-se que tais acções judiciais visam somente o passado. Ou seja, não se afirma que, para o futuro e em especial para o jogo em causa, se venha a recorrer aos tribunais para requerer responsabilidades ao árbitro. (...) »

Luís Pedro Sousa - Chefe de Redacção do Record; «(...) Depois de derrotar em Alvalade o FC Porto, seu concorrente direto, triunfou nos Barreiros, estádio onde os históricos rivais tinham averbado comprometedoras derrotas. Resta agora ao Sporting consolidar o 2.º lugar e esperar por um milagre... que muito dificilmente acontecerá. Este Benfica não escorrega facilmente.»

Rogério Azevedo - Jornalista de A Bola; «Enzo. Passou os primeiros meses de 2011/12 a tentar adaptar-se ao Benfica e ao futebol português. Não conseguiu. Abalou, em janeiro de 2012, para os Estudiantes de la Plata. Regressou ao Benfica em julho. Era olhado de lado: por ter mau feitio e por já haver muitos extremos no plantel. Jorge Jesus arranjou forma de o encaixar. Por ali, nas imediações de Matic, um passo em frente e outro ao lado. Foi uma das figuras de 2012/13 e em 2013/14 é, para mim, o número um. Marca o ritmo, pensa o jogo, segura a bola. Não estará no Brasil, mas já está, há meses e meses, no meu coração. Tal como Markovic, craque, craque.»

Dia 24

Alberto do Rosário - Gestor, no Record; «Presidentes do futebol. Santos, nunca encontrei nenhum, tais os milhões envolvidos e tantas são as vertentes não geríveis desta alucinante indústria. São dirigentes entalados por adeptos com paixões que ultrapassam as linhas vermelhas, por artistas que ambicionam a Lua, mas que, demasiadas vezes, nem na terra têm os pés, por arbitragens viciadas e por bolas que batem na trave. Nada fácil ser-se prior de tais freguesias. (...) »

José Manuel Delgado - Sub-Director de A Bola; «(...) ÁS - Jorge Jesus
Exibição segura e autoritária do Benfica frente à Académica, mais um passo encarnado em direção ao título e óbvio mérito do treinador do atual líder na forma como o jogo com os estudantes foi preparado. O que não invalida que mantenham pertinência as críticas à desconcentração que marcou a fase final da partida com o Tottenham.
»

Vasco Palmeirim - Comunicador, no Record; «(...) Ontem, mais 2 de Lima e um de Enzo Pérez e Jorge Jesus a dizer que no Benfica é "jogar, recuperar e jogar". O calendário está sobrecarregado e JJ diz que não há tempo para nada. E é verdade. Com Liga, Taça de Portugal, Taça da Liga e Liga Europa, os jogadores do Benfica não têm folgas e Jorge Jesus não retoca as madeixas desde novembro. »

Dia 25

Eugénio Queirós - Jornalista do Record; «Não há 1.ª Liga sem 2.ª Liga, mas a ligação entre uma e outra continua a ser apenas algo que está no papel. A diferença entre os dois escalões tem a dimensão da Fossa das Marianas. Quem cai no segundo escalão arrisca-se a ser sepultado, quase para sempre nas profundezas da miséria e do esquecimento. Falta oxigénio e quem está na 2.ª Liga, e uma das soluções possíveis está na centralização dos direitos televisivos nos apoios a quem anda num permanente sobe e desce. (...)»

Manuel Martins de Sá - Jornalista de A Bola; «1. Apesar da Itália ser, justa ou injustamente, considerada um dos países mais corruptos e violentos da Europa e berço de organizações mafiosas como cosa nostra, camorra e 'ndrangretta', há uma coisa que eu posso garantir: uma contenda infamante como a que estalou entre Sporting e FC Porto - que só serve para enxovalhar e desacreditar ainda mais o nosso futebol -, lá, já teria merecido há muito a intervenção da Liga e da Federação. (...) »

Miguel Sousa Tavares - Adepto portista em A Bola; «(...) Luís Castro vai ter uma cobrança terrível para poder ganhar uma ou duas das competições em que ambos estão directamente envolvidos. Neste dois meses que se seguem, bom mesmo é ser treinador do Sporting: apenas uma competição face às quatro dos adversários directos, um segundo lugar para disputar e um jogo por semana. Quanto ao resto, Bruno de Carvalho encarrega-se de ganhar em todas as frentes.»

Dia 26

André Pipa - Jornalista, em A Bola; «(...) Há qualquer coisa que não soa bem. Não estou com isto a sugerir que Luís Castro logo à noite deva chamar «banana» a Jorge Jesus (como fez o seu vice-presidente, Adelino Caldeira, ao presidente do Sporting) ou atirar-lhe uma grosseria do género «até rebentas o balão» (como fez o seu presidente, Pinto da Costa, ao presidente da AG do Sporting), mas que ele não parece nada um treinador à Porto, isso não parece. E não sei até que ponto o velho FCP de Pinto das Costa está preparado para consentir no banco um homem sem gritos de revolta para dar. Na. É modernice a mais.»

Bernardo Ribeiro - Sub-Chefe de Redacção do Record; «É apenas o primeiro de muitos que se vão seguir - mais três, pelo menos, e se não existir um encontro imediato de 3.º grau na Liga Europa - mas tem tudo para ser bom. Os jogos entre FC Porto e Benfica têm proporcionado nos últimos anos os confrontos mais apaixonantes do nosso futebol, muito pela enorme rivalidade existente entre os dois emblemas mas ainda mais pelas poderosas equipas que um e outro têm construído. (...) »

José António Saraiva - Director do 'Sol' no Record; «A seis jornadas do fim do campeonato, é tempo de destacar dois jogadores (Ghilas e Slimani), por acaso ambos argelinos, por acaso ambos avançados-centro, por acaso ambos suplentes no início do campeonato, por acaso ambos de características semelhantes: lutadores, goleadores, do género de nunca desistirem. À partida, pareciam condenados a ser a sombra de Jackson Martínez e Fredy Montero.(...)»

Dia 27

António Varela - Sub-Director do Record; «O melhor Benfica raramente ganha ao FC Porto no Dragão. Um sucedâneo dessa equipa, com seis alterações no onze titular, autocondena-se a trabalhar por um resultado limitado, o que numa competição a eliminar pode tornar-se suicida. (...)»

Hugo Vasconcelos - Jornalista de A Bola; «(...) Percebo, atendendo ao que se passou na época passada, o cuidado de Jorge Jesus na gestão da equipa; mas creio que o FC Porto tem de ter a mesma preocupação. Sim, ficou mais perto que o Benfica da final da Taça, mas com tudo ainda em aberto. E depois do que se viu ontem, depois do esforço da equipa titular (tirando Carlos Eduardo) numa pressão sufocante sobre o Benfica, não tenho dúvidas de que as águias ficaram também mais perto de vencer em Braga no domingo do que o FC Porto no Funchal...»

Leonor Pinhão - Jornalista, em A Bola; «(...) No domingo o Benfica joga em Braga para o que verdadeiramente interessa, o campeonato nacional. A expectável nomeação de Pedro Proença suscitou um não menos expectável coro de «ai, ai, ai» por parte do grosso da nação encarnada logo acrescido do relambório das maldades feitas por Proença às nossas cores, algumas com efeitos decisivos em questões importantes como a atribuição de títulos. (...)»

Dia 28

António Magalhães - Redator Principal do Record; «(...) Obviamente, não me atrevo a dizer que este Benfica é um embuste. Há imensa qualidade, excelente orientação, indiscutível competência, justificada confiança e previsíveis conquistas. Seguramente, não nos andou a enganar. Talvez o grande Benfica esteja a ser preparado para os... grandes momentos. Aqueles em que falhou o ano passado. »

Arons de Carvalho - Cronista de 'O Benfica'; «(...) 3. Faleceram na semana passada dois benfiquistas que foram figuras públicas (Medeiros Ferreira e Manuel Barbosa) e um terceiro, porventura menos conhecido do grande público mas com décadas de grande dedicação ao Clube e ao nosso râguebi - Carlos Nobre. É daqueles benfiquistas que, anonimamente (ou quase), trabalham para o Clube dia após dia. Foi jogador, treinador, dirigente, foi tudo no nosso râguebi, desde o tempo do Campo Grande nos anos cinquenta e sessenta. (... »

José Manuel Delgado - Sub-Director de A Bola; «(...) É assim que, olhando ao histórico de sucessos do FC Porto na justiça desportiva, os leões devem ficar de pé atrás. Não é fácil encontrar uma causa em que os dragões se tenham empenhado e tenham saído derrotados.»

SIGA-NOS NO TWITTER AMIGO ON FACEBOOK REENCAMINHE PARA UM AMIGO
Copyright © *|CURRENT_YEAR|* *|LIST:COMPANY|*, All rights reserved.
*|IFNOT:ARCHIVE_PAGE|* *|LIST:DESCRIPTION|*
Remover | Preferências 
*|IF:REWARDS|* *|HTML:REWARDS|* *|END:IF|*