Não consegue ver correctamente? Abra no Browser.

Newsletter N.º 268

Tempo de Taça de Portugal com o Benfica a arrancar um difícil vitória com o Vianense em Barcelos.

Nas modalidades o fim de semana foi profíquo com a "normalidade" de se terem registado vitórias em todas, sendo de destacar já na 4.ª feira a muito alargada vitória sobre o Sporting no Hóquei em Patins.

Destaque maior para a inevitável Telma Monteiro no Judo que voltou a conquistar a Medalha de Ouro no prestigiado Grande Slam de Paris. Também Célio Dias, na mesma modalidade, mereceu destaque ao conquistar a Medalha de Bronze. Como não há duas sem três, eis que João Pereira venceu prova na Taça do Mundo de Triatlo. Em cheio!.

Esta semana tivémos outra vez competições europeias. Na Liga dos Campeões o FC Porto cumpriu a sua obrigação ao vencer o modesto Maccabi e o Benfica depois de um começo prometedor acabou por deixar os 3 pontos em Istanbul, embora não hipotecando a sua continuidade na prova. Destaque ainda para os jovens benfiquistas na Youth League alcançando uma impensável vitória contra o Galatasary: 11-1!, novo recorde da prova.

Ah, Domingo há dérbi em futebol...


Dia 17

Fernando Guerra - Sub-Director de A Bola; «O Vianense-Benfica realizado ontem à noite, em Barcelos, por chumbo do Estádio Dr. José de Matos, em Viana do Castelo, obrigou à transferência do jogo para um estádio de outra Associação distrital, o que aparentemente colide com a redação do artigo 15.º do regulamento da prova, o qual permite a mudança de local desde que o clube visitado «comprove a impossibilidade de utilizar o seu estádio, por impossibilidade do terreno de jogo, por falta de condições de segurança ou por não cumprimento dos requisitos para a realização de transmissão televisiva». Nesse caso, será autorizado a utilizar outro estádio desde que «situado na área da sua Associação distrital». Um pormenor apenas, mas que talvez retrate a inexistência de infraestruturas desportivas com as condições mínimas exigidas, não somente em Viana do castelo, mas em outros distritos do País a quem o futebol de primeira Divisão chega de vez em quando, levado pela mão da Taça de Portugal. (...)»

Leonor Pinhão - Jornalista, no Record; «(...) Os árbitros, e não o Benfica, são os ofendidos do momento. A única consolação que o sector da arbitragem recebeu por estes dias chegou pela via de uma "fonte anónima da direção do Sporting". Os árbitros descansaram quando souberam que o Benfica tem "uma lista de Schindler" onde constam "nomes de árbitros, delegados e observadores" para "os ameaçar, denunciar ou tramar". Ao contrário da "fonte anónima" que por estar sempre ligada à torneira não sai do sítio, os árbitros foram ao cinema ver o filme e sabem que a lista de Schindler não era para ameaçar, denunciar ou tramar ninguém, antes era, resumidamente, uma lista onde figuravam milhares de judeus salvos do Holocausto. Agora, por favor, não venham dizer que o Holocausto nunca existiu. »

Miguel Cardoso Pereira - Jornalista de A Bola; «(...) Caro adepto do Benfica ou do Sporting, nem tudo o que os dirigentes ou comentadores do seu clube despejam deve ser por si absorvido como se viesse do Santo Graal. Quando chegar - e não tarda - o dia em que alguém influente lhe peça para deixar de falar com os seus amigos ou familiares que sejam do outro clube, você perceberá, então, que realmente você é mais do que apenas o futebol que tem em si, que a sua razão de existência não é o seu clube. Compreenderá o limite do cúmulo. Quando o quiserem despir de ideias próprias, julgá-lo tábua rasa para fanatismos, considerá-lo ideologicamente nu, fácil, estúpido, selvagem, ganhe você juízo e vista-se. Vista-se com a camisola do seu clube, evidentemente. Mas vista-se.
Parece que o nu está fora de moda.
»

Dia 18

José Manuel Meirim - Especialista em Direito Desportivo em A Bola; «(...) 3. Este é um domínio em que assumo a repetição e nada trago de novo à sua análise. Com efeito, desde 1991 que vou batendo nas mesmas teclas, muitas delas comuns à do leitor. Uma imagem que sempre utilizo é a de comparar o fenómeno, ou melhor, as respostas sancionatórias neste domínio, com aquilo que há anos era registo habitual: nos jogos da UEFA e FIFA, a cerveja nos bares era sem álcool; nos nacionais, era com álcool.
4. Todos temem os "castigos" da UEFA ou FIFA e poucos são os que sentem apreensão em registo doméstico. Porque será que é bem mais eficaz a "lei da FIFA e da UEFA", do que a lei do Estado, que ainda conta com as forças de segurança pública e a Administração Pública Desportiva? Na resposta encontrará o leitor a razão de ser do estado actual.
»

Marco Martins - Jornalista do Record; «Depois de no Mundial não ter tido o desempenho que se esperava, Telma Monteiro (57 kg) conquistou ontem a medalha de ouro no Grand Slam de Paris, um dos mais prestigiados torneios do Mundo. A atleta do Benfica, é campeã da Europa em título, já tinha ganho a competição em 2012 e, na final, bateu a mongol Sumiya Dorjsuren, no ponto de ouro.
"Estou muito contente. Foi um combate equilibrado, com bom nível. Com a idade aprendemos que há dias em que ganhamos por ippon e outros por castigos; no fim, o que conta é a medalha de ouro. É a minha 5.ª medalha em Paris, a 2.ª de ouro, é histórico para mim", contou-nos a judoca, que reconhece não estar na melhor forma. "O balanço é positivo porque sabia que não estava nas melhores condições físicas, mas é uma das competições mais importante do Mundo e foi importante vencer." Telma recusou-se a comentar o facto de não ter sido nomeada pela Federação para receber o prémio de Atleta do Ano da Confederação. "Hoje é um dia de festa e não quero comentar o que se passou na última semana." (...)
»

Ricardo Costa - Professor de Direito da Universidade de Coimbra no Record; «(...) Claro que sabemos que os novos Estatutos da Liga criaram um órgão novo - o Conselho Jurisdicional-, que apresenta uma secção de "instrução e inquéritos" exatamente com as competências da atual CII. Todavia, os Estatutos da Liga não se sobrepõem ao RD da Liga, regulamento administrativo que, no exercício de poderes públicos delegados, desenha os poderes disciplinares nas provas profissionais. E no RD continua vigente a CII.
Claro que sabemos que a FPF tem feito tudo para extinguir os poderes disciplinares subsistentes na Liga, nomeadamente esgrimindo a ilegalidade da CII. Porém, a CII e os seus poderes são absorvidos e permitidos pela lei pertinente (o RJFD na versão de 2014), quando, em atenção aos poderes dos CD, salvaguarda as "competências [disciplinares, próprias ou delegadas] da liga profissional". Não é de todo ilegal.
E ainda sabemos que o presidente da CII é nomeado (ou renovado) pelo Conselho de Presidentes da Liga (assim manda o RD). Contudo, este órgão desapareceu do seio da Liga...
Confuso? Não esteja, é apenas e só futebol, que tratará disto com superior clarividência na AG da Liga da próxima semana...
»

Dia 19

Alberto do Rosário - Consultor, no Record; «(...) Por último, e noutro tema, confesso-me divertido - já não tenho idade para chorar - com a feroz guerra Sporting/Benfica. Como é possível hoje, ano 2015, século XXI, dois clubes europeus numa cena destas? Surreal. E ainda por cima vão esgrimir nos tribunais - vão ter de esperar sentados - com toda a comunicação social a bater palmas. Enorme Portugal.»

José Manuel Delgado - Sub-Director de A Bola; «O dia 5 de outubro de 2015 vai ficar no imaginário do futebol português como um dos mais lamentáveis de sempre. Por mais eficácia que o presidente do Sporting descortine na sua intervenção televisiva, a verdade é que a peixeirada a que o país assistiu teve entrada direta no top dos tesourinhos deprimentes do futebol português. Com danos irreversíveis para a credibilidade da presidência que Bruno de Carvalho está a levar a cabo.
Tenho consciência de que estar a pregar neste deserto de bom senso em que se transformou o futebol português pode ser perda de tempo. Mas, talvez não. Talvez, quando a poeira assentar e alguns protagonistas recuperarem a lucidez, estes reparos signifiquem que, pelo menos, nem todos se deixaram arrebatar pela demagogia fácil, pelo discurso virulento e pela ofensa gratuita. Porque, em nenhuma circunstância, o que tem acontecido pode ser o retrato da normalidade ou, na infeliz expressão de Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes, um "fait-divers". (...)
»

Santos Neves - Jornalista de A Bola; «(...) Valham-nos, no futebol e noutras modalidades, atletas e seus treinadores. Mais uma medalha de ouro para a extraordinária Telma Monteiro! Também no judo e no muito prestigiado Grand Slam de Paris, bronze para Célio Dias. No GP da Austrália, Miguel Oliveira arrebatou a sua 4.ª vitória neste Mundial de moto 3, onde é 2.º a duas provas do fim. No triatlo, João Pereira, venceu, na Turquia, competição da Taça do Mundo.
No futebol, Aves e Gil Vicente, da II Liga, eliminaram da Taça de Portugal adversários da I. E Casa Pia e Trofense, da III, impuseram-se a equipas da II. Gondomar e Loures, da III, assustaram Estoril e Boavista com prolongamento.
Isto é Desporto, tão saudável/aliciante competição. O oposto de sujas guerras deflagrando incêndios a que um dito responsável chama "fait-divers"!
»

Dia 20

Bruno Prata - Jornalista, no Record; «(...) Hoje as coisas estão diferentes. O Benfica evolui nos seus processos de jogo, passou a ter mais armas com Mitroglou, Raúl Giménez e até Gonçalo Guedes. E psicologicamente parece estabilizado. É verdade que foi derrotado no Dragão, mas num jogo em que foi melhor do que quando lá venceu na época anterior. Aliás, foi muito do que resultou desse jogo que ajudou Vitória a dar cola à equipa, quando arriscou, por exemplo, manter André Almeida ao lado de Samaris. Hoje, o Benfica continua a ser uma equipa com riqueza ofensiva, mas, parece mais temperada e pragmática. A lesão de Nélson Semedo foi um grande contratempo, mas também poderá ser a última oportunidade de Sílvio acabar com a urucubaca. Mas do outro lado estará um Sporting cada vez mais ardiloso e confortável na nova vestimenta. Sem Carrilo, perdeu malandrice mas Jesus tem sabido acrescentar-lhe outras valências. Ter menos 24 horas para recuperar do confronto europeu é só uma desvantagem aparente, porque o Benfica terá um osso mais duro de roer e debater-se-á com a viagem longa da Turquia. E porque, claro, Jesus põe os ovos todos na cesta do campeonato.»

Fernando Guerra - Sub-Director de A Bola; «(...) Pedir-lhe para ficar calado, ou falar com moderação, é desperdício de tempo. Ainda ontem, por exemplo, teve direito à antena da RTP África e Internacional para se dirigir ao mundo lusófono. O que pode ser o ponto de partida de excelente ideia futura. Por cá, já lhe ouvimos quanto baste, mas somos poucos, dez milhões mal medidos, motivo por que não seria despiciendo se passasse a dar mais atenção aos grandes mercados emergentes no futebol, como o asiático... Tanaka seria logo valorizado para aí em mil por cento...»

Pedro Adão e Silva - Professor Universitário, no Record; «(...) Lembrei-me disto porque, contra o Vianense, causou alguma surpresa que, a certa altura, Rui Vitória tivesse recuado o extremo-esquerdo Nuno Santos para a posição de lateral-esquerdo.
À primeira vista, a equipa não ganhou nada com a alteração. Talvez não seja assim.
Nuno Santos é um jogador com um talento notável de drible simples e com uma velocidade única que lhe permite verticalizar o jogo com muita facilidade. Não engana: vai dar craque. Fez, é certo, toda a sua formação como atacante. Mas a ideia de Nuno Santos como lateral-esquerdo pode bem ter pernas (e altura) para andar. Tem muitíssimo para aprender em termos de posicionamento defensivo, mas o seu futebol de profundidade e velocidade só pode ganhar se partir de posições mais recuadas.
»

Dia 21

André Pipa - Jornalista, em A Bola; «Há um dia em que o ruído de fundo, por mais desagradável que seja, é inevitavelmente abafado pela voz do povo no estádio. Domingo é esse dia. Na Luz, a rebentar pelas costuras, vamos finalmente recentrar a questão entre os velhos rivais no local onde ela faz mais sentido: no relvado. Gosto muito de derbies e já vi suficientes por esse Mundo fora para poder dizer, sem receio de ser corrigido, que o de Lisboa é um dos mais intensos e picantes. Está ao nível de um Milan-Inter, um Real Madrid-Atletico, um Celtic-Rangers, um Liverpool-Everton, um Boca-River, um Fla-Flu. O Benfica-Sporting ou Sporting-Benfica mexe com a cidade, com as pessoas e com o país, dada a dimensão social dos dois - enorme - e a eterna actualidade do seu antagonismo. O meu velho amigo Afonso Melo publicou um tratado quando o derby fez cem anos e acertou em cheio na apresentação do mesmo: «100 anos, 1907-2007... Benfica-Sporting, Sporting-Benfica... pior do que inimigos, eram irmãos!», escreveu ele. É isso. A génese dos dois clubes explica muita coisa e ajuda a perceber por que razão o campeonato particular - melhor: a contabilidade particular - que quase todos os lisboetas trazem escondida no coração, muitas vezes acaba por ser a recordação mais prazenteira da época. (...)»

Jorge Barbosa - Editor-Chefe do Record; «(...) O que se percebe daqui é que o Benfica prefere resolver as diferenças no terreno de jogo e a mensagem codificada de Vieira passa como sendo um voto de confiança a Vitória para se impor a Jesus. Apesar de Jesus garantir que se sente confortável nestes ambientes, o que se verifica é que ele nunca sentiu o peso da hostilidade da Luz, sobretudo agora na pele de "traidor". A gestão dos "silêncios" do Benfica permitiu ao próprio clube concentrar-se no essencial ou seja, ganhar, enquanto o Sporting abriu múltiplas frentes de batalha, competindo agora a Jesus blindar o grupo. Após o triunfo na Supertaça e caso consiga chegar a nova vitória, o seu fantasma continuará a incomodar.»

Octávio Ribeiro - Director do ; «Num dos dérbis mais escaldantes das últimas décadas, Rui Vitória vai lançar os 11 jogadores em que mais acredita para vencer. Jorge Jesus, no reencontro com o seu palco de seis longos anos, lançará a equipa que mais o deixe protegido de uma derrota. Ambos os líderes farão todos os possíveis para não falhar.
E Vítor Pereira, o patrão dos árbitros, escolheu Carlos Xistra. Um juiz medroso, sem grande dimensão técnica nem coerência disciplinar.
Vamos ver como correm as coisas, mas esta escolha, num jogo incendiado pela falta de senso dos mais altos dirigentes e de um ou outro títere avençado, não deve deixar nenhum amante do futebol tranquilo. (...)
»

Dia 22

Nuno Farinha - Director-Adjunto do Record; «(...) O jogo na Turquia exigia várias respostas. Seguia-se a uma paragem inusitadamente prolongada para vários titulares (André Almeida, Samaris, Gaitán, Guedes e Jonas não jogavam pelo Benfica desde a vitória no Calderón, há já 21 dias!) e era este o primeiro exame a sério desde a grave lesão de Nélson Semedo. Ora, independentemente do resultado negativo, é justo reconhecer que a equipa não perdeu a boa dinâmica que trazia de setembro. Voltou a mostrar que está no bom caminho e acabaram por ser dois erros individuais a trair o bom trabalho coletivo - mas isso, como lembrou Rui Vitória, "faz parte".
Nunca há jogos fáceis na Liga dos Campeões, muito menos fora de casa. Quantas equipas venceram ontem na condição de visitante? Nem uma. Se os adeptos do Benfica queriam também perceber, através do jogo de ontem, se a equipa estava preparada para o dérbi, creio que ninguém ficou com dúvidas: obviamente que sim.
»

Rui Gomes da Silva - V.P. do Benfica em A Bola; «(...) Por isso, e partindo de um denominador comum - a paixão pelo Benfica - e dos valores que sempre nos transmitiram, de respeito e de solidariedade, mas sempre num ambiente de grande alegria, vamos apoiar de forma exemplar o nosso Benfica.
Se todos pensarmos e refletirmos sobre isso, não será difícil continuarmos a ser os adeptos mais fervorosos e mais apaixonados, dando o exemplo que muitos teimam em achar que não somos capazes de dar.
Teremos de ser, à semelhança do próprio clube, adeptos lutadores, com fervor, emoção e mística... e sempre com um único fim em mente: ganhar... à Benfica.
Vamos começar já a sê-lo no próximo dia 25?
Pelo Benfica!
»

Santos Neves - Jornalista de A Bola; «(...) Muito curiosa perspetiva para este domingo:
- Rui Vitória, grande adepto de 4-3-3, decerto manterá o 4-4-2 que, pelas características do plantel, sobretudo de Jonas, teve de preferir no Benfica...
- Jorge Jesus, único treinador em Portugal com sistemática opção por 4-4-2 nos últimos anos, talvez hesite em optar, na Luz, por 4-3-3... Muito provável decidir-se por ligeiro retoque no 4-4-2: William-Adrien (ou Aquilani) na base do meio campo, outro médio (João Mário) no flanco direito, Gelson na esquerda, em vez de Bryan Ruiz (preferência pela sua velocidade, explorando potencial dificuldade benfiquista para suprir lesão de Nélson Semedo) e, para próximo apoio ao imprescindível Slimani, talvez avance a argúcia de Aquilani rendendo o habitual Gutierrez...
Sim, o reforçado Sporting tem variedade de consistentes opções superior à do Benfica.
»

Dia 23

Daniel Oliveira - Analista Político, no Record; «Antes de dérbi há demasiado jogo fora das quatro linhas. O Sporting, como se sabe, denunciou a história das caixas para os árbitros. Exigindo-se esclarecimentos para um assunto que é grave, o tema não devia suspender as relações institucionais e a cordialidade. Para o próximo jogo, o Benfica terá impedido a utilização de qualquer material de apoio, como faixas e bandeiras, pela claque do Sporting. E os adeptos do Sporting foram impedidos de assistir ao jogo de hóquei em patins. Duas provocações infantis. (...)»

Luís Fialho - Cronista de 'O Benfica'; «(...) A resposta para a imbecilidade é o silêncio. A resposta para a provocação será dada em campo. E o ruído virá das bancadas.
Chegou pois a hora de terem o que merecem. No domingo, às 17h00, vamos responder-lhes como se impõe, e como mais lhes dói: com uma grande vitória, com uma vitória à Benfica.
Mais comunicado menos comunicado, veremos como rapidamente se colocam no seu lugar, e como toda a gritaria se dissipa. Poderemos então regressar aos plácidos tempos em que os animais não falavam. Poderemos então regressar à normalidade.
»

Sílvio Cervan - V.P. do SLB em A Bola; «(...) Esta semana foi dominada pelos Benfica-Sporting. No Futsal, Sábado, ganhou o Benfica (2-1). Em futebol, iniciados, Domingo, ganhou o Benfica (4-0). Em hóquei em patins, na quarta-feira, ganhou o Benfica por atropelamento (9-0). Os dirigentes do Sporting que pediram bilhetes fora do prazo para o jogo de hóquei já deviam imaginar e quiseram proteger os seus adeptos. Resta saber se há qualidade, engenho e arte para manter a matriz. Por mim está excelente assim.
Na Luz todos a apoiar o Benfica, se é verdade que somos mais fortes em casa é também pela força que vem da bancada. Esse apoio não pode faltar e também neste aspecto é importante ganhar em civismo e dedicação. Agora é com Gaitán, Jonas e companhia porque são esses os que nos levam ao estádio. E podem indigitar o Benfica como vencedor...
»

SIGA-NOS NO TWITTER AMIGO ON FACEBOOK REENCAMINHE PARA UM AMIGO
Copyright © *|CURRENT_YEAR|* *|LIST:COMPANY|*, All rights reserved.
*|IFNOT:ARCHIVE_PAGE|* *|LIST:DESCRIPTION|*
Remover | Preferências 
*|IF:REWARDS|* *|HTML:REWARDS|* *|END:IF|*