Não consegue ver correctamente? Abra no Browser.

Newsletter N.º 219

Jornada vitoriosa nas modalidades no passado fim de semana, com a excepção (infelizmente) do Andebol que continua a primar pela irregularidade.

No futebol a equipa B conseguiu um nulo sofrido em Chaves mantendo-se nos lugares da frente da 2.ª Liga.

Quanto à 1.ª Liga: Vitória pela diferença mínima na Choupana em que o resultado voltou outra vez a ser melhor do que a exibição. Todavia, para além da vitória, acabou por ser uma jornada positiva dado que FC Porto e Sporting não foram além do empate. Segue-se agora novo interregno para compromissos da Selecção Nacional e da Taça de Portugal.

A nossa equipa de Basquetebol voltou às provas europeias e nos dois jogos disputados averbou duas derrotas. Nada que não fosse esperado dado que o nível do basquetebol nacional está aquém daquele que se pratica por essa Europa fora.

Selecção A: Portugal defronta a Arménia no Estádio do Algarve, numa partida onde só se antevê a vitória. Que assim seja!


Dia 8

Bernardo Ribeiro - Director-Adjunto do Record; «O que têm em comum uma liderança do Vitória de Guimarães e o caos anunciado por Pedro Proença, hoje, em entrevista a Record? Felizmente pouco ou uma linha muito ténue: o futebol português. Que não pára de nos apaixonar e produz ainda fenómenos tão interessantes quão valiosos como este trabalho de Rui Vitória, mas também o anarquismo desorganizado denunciado pelo melhor árbitro português em atividade, um homem a quem se augura um futuro ativo no futebol. (...)»

Fernando Guerra - Sub-Director de A Bola; «Na porta de entrada da décima jornada o ator principal, chamado Vitória de Guimarães, resistiu aos clarões dos flashes e à pressão das câmaras. Não falhou o salto para o comando da Liga, que pode ser por um dia, provavelmente, mas, até se conhecer o resultado do Benfica na viagem à Madeira, para defrontar o Nacional, e, mais tarde, o desfecho do encontro do FC Porto na visita ao campo do Estoril, o primeiro lugar na classificação pertence-lhe. Trata-se de uma posição precária, sem dúvida, mas justificada: valoriza o trabalho competente e discreto de Rui Vitória e recompensa a política que tem sido seguida na área do futebol profissional pela administração presidida por Júlio Mendes. (...)»

Octávio Ribeiro - Director do ; «Junto esta voz às que, de vários quadrantes, defendem que os clubes, em especial os grandes clubes, se devem entender e trabalhar em conjunto nos grandes dossiês do futebol nacional.
A quem serve a incapacidade de concertação interna no sector futebol? Aos clubes e respetivas SAD, não é certamente. Em frente ao Estado e ao seu poder cego, por exemplo, alguém do futebol fica mais forte para negociar se os três grandes clubes não aparecerem unidos? Nos fóruns do futebol europeu e mundial, até na internacionalização da marca "futebol português", principalmente para África, quanto haveria a ganhar com uma capacidade mínima de aliança e comprometimento mínimo? (...)
»

Dia 9

Fernando Seara - Adepto Benfiquista em A Bola; «1. Hoje, 9 de Novembro, é, para mim, um dia com muita memória e um dia em que se pressente o futuro. Sabemos bem que o presente, este presente, é uma ponte entre o passado - que recordamos e respeitamos - e o futuro, que ambicionamos e sonhamos construir. Há precisamente vinte e cinco anos vimos cair, com uma emoção imensa e intensa, o Muro de Berlim. Foi uma noite feliz. Muito feliz. Em direto. Hoje, em toda a Catalunha, tem lugar um processo participativo em rigor semântico uma consulta - e não um referendo como desejava o Presidente do Governo regional da Catalunha, Artur Mas, mas que o Tribunal Constitucional espanhol considerou inconstitucional. (...)»

Nuno Farinha - Director-Adjunto do Record; «(...) O primeiro lugar é, pois, o tema que está hoje em cima da mesa e disso dependerá aquilo que Benfica e FC Porto forem capazes de fazer, com o V. Guimarães à espera. Mas há também muita expectativa relativamente à performance do Sporting. O Paços de Ferreira está num excelente momento, ocupa o 5.° lugar, e Paulo Fonseca ganhou sempre aos leões (três jogos, três vitórias no histórico do campeonato). Marco Silva não tem assim por onde escolher: a única solução é ganhar, para não perder de vista os rivais diretos. O atual atraso permite manter acesa a esperança, mas mais do que isso poderia ser o pré-anúncio de uma pequena tempestade. Um cenário de todo injusto para a equipa que pratica o futebol mais entusiasmante em Portugal.»

Vítor Serpa - Director de A Bola; «Para já e, por enquanto, o Vitória de Guimarães vai na frente. Podem dizer-me que é uma situação transitória. Será, mas não deixa de ser um facto com o significado próprio de quem já cumpriu dez jornadas e perdeu apenas um jogo. E de quem, aconteça o que acontecer, não deixará o pódio.
Apesar dessa realidade, não me parece que se possa desde já dizer que teremos, em Guimarães, um surpreendente candidato ao título, mas temos, isso sim, uma das boas surpresas deste campeonato, tanto mais que a administração da SAD do Vitória, liderada pelo presidente Júlio Mendes, iniciou, com coragem e convicção, uma mudança de paradigma do seu futebol profissional conseguindo aquilo que, há muito, os políticos portugueses não conseguem: fazer mais com menos. Espera, pois, o Vitória, comodamente instalado no topo, pelo que possa acontecer no dia de hoje. Os três grandes cumprem a jornada neste domingo, ainda em ressaca da Europa. (...)
»

Dia 10

Alexandre Pais - Jornalista, no Record; «Olho para a classificação da Liga, confirmo que estou acordado e tento acreditar: à 10.ª jornada, o Belenenses é quarto, com mais dois pontos que Sp. Braga e Paços, e mais três que o sétimo, o Sporting, candidato ao título. Acima, no terceiro posto, apenas com mais dois pontinhos que os azuis - os novos jornalistas já não nos tratam por "azuis", são indiferentes à história - está o grande FC Porto, os "azuis-e-brancos", com o seu plantel de milhões.
Agora, durante duas semanas, desfrutaremos o "milagre" deste momento raro e colocamos a esperança na ronda seguinte, em que o "Belém" recebe, no Restelo, o Arouca. Se vencermos, prosseguiremos o sonho e daremos praticamente como adquirida a permanência na 1.ª Liga. E o que possa vir como bónus será sempre excelente. Recordo que a época começou mal, com o quadro de jogadores a parecer ter sido constituído um tanto ao acaso e a refletir as limitações financeiras, com o líder da SAD a dizer uma coisa e o treinador, desconfortável com o plantel, a dizer outra, nomeadamente que lhe faltavam opções para esta ou para aquela posição. Mau sinal, tendo em conta o desfecho de casos semelhantes. (...)
»

Hermínio Loureiro - V.P. da FPF em A Bola; «O futebol português marcou pontos na Europa. A prestação das equipas portuguesas na Liga dos Campeões foi absolutamente fantástica. Três jogos, três vitórias. Foi uma jornada brilhante e épica.
As águias venceram o Mónaco com um golo de Talisca aos 82 minutos que evitou a eliminação e ao mesmo tempo acendeu uma luz ao fundo do túnel. O Benfica volta a entrar nas contas querendo estar na fase seguinte da competição. Os encarnados entraram bem no jogo, aproveitando os espaços oferecidos pelos jogadores de Leonardo Jardim. Em Alvalade foi uma noite deslumbrante e inesquecível. Uma tremenda exibição da equipa de Marco Silva a mostrar que é muito melhor que o Schalke 04 e se não fosse a influência externa vinda da Rússia as contas seriam outras. Um Sporting autoritário, ferido no seu orgulho, reagindo bem às adversidades, ultrapassou com classe mesmo tendo sofrido um golo na própria baliza. Não se perturbou e arrancou uma bela exibição e um excelente resultado que permite continuar a sonhar e dizer que está bem vivo. O Porto garantiu a passagem à fase seguinte com uma exibição brilhante. (...)
»

Santos Neves - Jornalista de A Bola; «Casa cheia num domingo futebolístico marcado pela invulgaridade de os três grandes jogarem no mesmo dia. Casa cheia sobretudo em emoções. Encadeadas e fortíssimas. Benfica sofrendo para vencer em casa do Nacional. Desde logo, pelo susto do 1-0 logo a abrir; mas muito mais na ponta final, para segurar reviravolta que conseguira ainda na 1.ª parte.
Sporting estarrecido pela estupenda exibição do P. Ferreira nos primeiros 45 minutos. Em Alvalade, que audácia atacante e bom futebol da equipa que reencontrou em Paulo Fonseca o treinador que, duas épocas atrás, levara o Paços à Europa por via do 3.º lugar! O Sporting reagiu muito bem, mas não escapou a 5.º empate... (e a soma deles com derrota em Guimarães amplia a distância para apenas 4 vitórias...). FC Porto voltando a escorregar no Estoril; e ainda assim feliz por ter chegado ao empate no derradeiro minuto dos descontos de tempo.
V. Guimarães no 2.º lugar! (5.º triunfo fora de casa, o que mais ninguém conseguiu...). Belenenses, ao 3.º êxito como visitante, pulando para 4.º! P. Ferreira e SC Braga a par na 5.ª posição. Sporting, sob ameaça de ser hoje agarrado pelo Rio Ave, vê escuro horizonte nos 8 pontos para o líder...
»

Dia 11

Manuel Martins de Sá - Jornalista de A Bola; «(...) 2. O novo presidente da Liga, Luís Duque, só conseguirá centralizar a gestão dos direitos televisivos através de decreto governamental, como aconteceu em França e Itália. Se em Espanha e Portugal ainda não se chegou a essa solução extrema foi por ausência de coragem política. Só nestes quatro países latinos é que os clubes recusaram ou têm recusado aderir a este método. Os exemplos dos países anglo-saxónicos e nórdicos mostram bem que esse é o melhor caminho para favorecer os clubes. Mas quem é que vai convencer disso Benfica e Porto ou Real Madrid e Barcelona? A experiência do Benfica prova que perdeu dinheiro em relação ao que a Olivedesportos lhe oferecia.»

Pedro Adão e Silva - Professor Universitário no Record; «(...) Na maior parte das partidas, a questão nem se coloca. O balanceamento atacante da equipa revela-se a melhor defesa e a qualidade individual e a organização coletiva chegam e sobram para as encomendas. Este ano, contudo, a questão é diferente. Com um plantel mais curto, com menos talento em posições-chave e com muitas rotinas ainda por aprimorar, o Benfica vai precisar de saber jogar mal para conquistar títulos. Como, aliás, se viu na Choupana este fim de semana: assim que demos a volta ao marcador, passámos a sofrer.
Construir uma equipa "resultadista", capaz de gerir os jogos, é o principal desafio que se coloca a Jesus, hoje. Convenhamos que, mesmo assim, é uma tarefa comparativamente pouco exigente. Afinal, o que é ensinar a jogar mal quando comparado com o que foi montar o carrossel atacante que caracteriza o Benfica dos últimos anos?
»

Vítor Serpa - Director de A Bola; «(...) Há, no entanto, uma questão importante que resulta desta súbita opção do selecionador brasileiro. Talisca tem ganho muita maturidade, nestes últimos meses de profissionalismo. A sua adaptação a um novo país e a uma nova realidade sociocultural é surpreendente. Porém, as coisas boas estão a acontecer muito depressa e é necessário proteger o jovem para que seja capaz de consolidar a sua qualidade e criar condições para que essa qualidade - que já é muita - se possa continuar a desenvolver. A chamada à seleção principal do Brasil, para um jovem jogador brasileiro, pode ser uma enorme felicidade e, também, um deslumbramento. Mesmo considerando que a seleção do Brasil já não é o que era - o último Mundial deu para perceber isso - mesmo assim continua a ser uma das melhores seleções de futebol do mundo. Felizmente para Talisca que o Benfica é um clube formador e tem um treinador experiente, que o saberá fazer descer das nuvens. »

Dia 12

Bagão Félix - Adepto benfiquista, em A Bola; «(...) Caso diferente é o do golo marcado por um jogador ao seu clube contratual que, antes, o havia emprestado ao clube oponente. Neste caso, compreendo o recato da coreografia do golo, entalado que está o jogador entre o patrão de direito e o patrão de facto. Mas daí até se insinuar 'falta de profissionalismo' do atleta que marca ao seu clube de origem vai a distância entre desportivismo e um insuportável facciosismo.
No domingo o excelente jogador Tozé emprestado pelo Porto ao Estoril foi encarregado de marcar um penalty. Decisão destemida e, ao mesmo tempo, venenosa. Marcando - como foi o caso - uma traição para os mais sectários; falhando, uma atoarda de suspeições ainda que injustas. Por esta e por outras razões, deveria haver duas regras: 1) jogador do clube 'comodatário' não joga contra o clube 'comodante'; 2) deveria haver um limite para estes 'comodatos'. Acabavam-se as dúvidas e suspeições.
»

Jorge Barbosa - Editor-Chefe do Record; «É para ganhar, não se admite outro resultado que não a vitória no jogo com a Arménia. A Seleção Nacional voltou a entrar no carril da qualificação depois do único golo de Ronaldo no jogo com a Dinamarca, e dispõe agora de todas as condições para que a sua presença na fase final do Europeu de França seja um facto. É assim porque a nossa Seleção tem agora um líder forte e tem sobretudo um rumo, as velhas querelas à volta dos selecionados felizmente já não existem; convivem, pois, e em boa harmonia uma geração de vencedores e novas promessas não muito menos valiosas, o que nos dá alguma segurança para antecipar o futuro próximo com otimismo. Portanto, está tudo bem. (...)»

José António Saraiva - Director do 'Sol' no Record; «(...) É preciso dizer que o plantel do Benfica não só é muito inferior ao do FC Porto como é inferior ao do Sporting. Tomara Jesus ter um médio-defensivo como William Carvalho, ou avançados como Montero e Slimani, ou extremos como Carrillo e Nani. Para já não falar em Patrício, Adrien, João Mário, Jefferson ou Capel.
Por muito que custe aos benfiquistas, a equipa do Benfica está presa por arames. Jesus anda às aranhas para encontrar um médio-defensivo - e isso desequilibra tudo. Basta dizer que tem de utilizar nessa posição um ex-avançado como Enzo Pérez! E no ataque tem vivido dos golos de Talisca, que não é um goleador, pois os avançados não convencem: Lima tarda em acertar com a baliza, Derley era bom para o Marítimo mas ainda não provou ser bom para o Benfica, Jonas está-se a adaptar.
Por tudo isto, é surpreendente o Benfica ocupar hoje o 1.° lugar, com 3 pontos de avanço sobre o Porto e 8 sobre o Sporting. É certo que alguns árbitros terão facilitado, mas os adversários também escorregaram demasiado...
»

Dia 13

Bruno Prata - Jornalista, no Record; «(...) Mas a verdadeira transformação só será possível se Bruno Carvalho perceber que não pode continuar a refletir apenas o pensamento e o pulsar da turma mais radical com que criou laços fortes nos tempos em que se sentava anonimamente nas bancadas. Porque a muitos desses será sempre complicado fazer perceber que o facto de o Sporting só ter sido campeão duas vezes nas últimas três décadas não resultou apenas das malfeitorias dos árbitros e da Liga, mas também em função do mérito dos adversários e dos tiros que o Sporting foi dando nos seus próprios pés. Não é crível que Bruno de Carvalho possa, aos 42 anos, alterar substancialmente os seus traços de caráter. Mas há sempre a possibilidade de a maior experiência no cargo lhe acabar por ensinar que a função da liderança é produzir mais líderes e não apenas mais seguidores. »

Carlos Barbosa da Cruz - Advogado, no Record; «(...) Com a entrada da nova direção do clube, foram introduzidas modificações a nível dos responsáveis da Academia; não discuto o direito de as fazer, questiono, perante os factos, a qualidade das escolhas. O traço identitário do clube é formar homens e atletas de excelência, detetar talentos, valorizar o seu potencial, servir a comunidade e o desporto nacional; isto é mais importante que todos os campeonatos profissionais. Vejo com apreensão os sinais de desagregação e perda de competitividade, que infelizmente vão para além de uma conjuntura adversa ou uma época mal conseguida. A Academia é um ativo essencial à afirmação e ao futuro do futebol do Sporting; sei que existe vontade de tudo mudar, em muitas coisas até justificadamente, mas há empirismos que não se justificam e podem sair caros. »

Santos Neves - Jornalista de A Bola; «(...) A lógica diz que Fernando Santos deixará amanhã o 4-4-2 em losango, fazendo regressar 4-3-3 com ponta de lança de raiz (Éder ou Postiga, únicos convocados porque únicos convocáveis...).
A lógica diz que William Carvalho baixará a suplente (prossegue em forma periclitante), sendo a posição mais recuada na linha média entregue a Tiago, com Moutinho um pouco à sua frente e Danny em claro mais próximo apoio ao trio dianteiro (André Gomes como primeira alternativa). A lógica diz ir ser Tiago Gomes, porque alia boa forma com superior experiência, o novo defesa esquerdo titular. Ah!, na 4.ª feira seguinte, em Londres, no confronto particular com a Argentina, o extremo direito que irá enfrentar, tudo o indica, chama-se... Lionel Messi. O selecionador argentino anunciou mudança de Messi para o flanco direito, dado que a zona central já está inflacionada com Higuain, Aguero, Tévez... (que luxo!).
A lógica diz que Portugal jogará a sério, naturalmente varrendo a Arménia.
»

Dia 14

José Manuel Delgado - Sub-Director de A Bola; «Hoje joga a Seleção Nacional e espera-se uma vitória, não só porque o adversário é acessível mas também porque a disputa tem lugar em solo pátrio.
Perante a irreversibilidade da escorregadela com a Albânia, os três pontos conquistados na Dinamarca foram um precioso bálsamo e outros três, a arrecadar esta noite no Algarve, podem colocar desde já Portugal na liderança do grupo, assim a Dinamarca não vá vencer à Sérvia (à porta fechada...).
Será perante casa cheia - e ao que parece São Pedro vai dar tréguas de chuva, hoje à tarde, ao sul do País - que Cristiano Ronaldo vai tentar colocar-se no topo dos marcadores dos Campeonatos da Europa, englobando fases de grupos e fases finais. (...)
»

José Ribeiro - Editor-Chefe do Record; «(...) Bem sei que a retórica propagandística do líder leonino se destina aos seus, mas acredito que mesmo entre este grupo (de 3 milhões, ao que disse) haverá muitos que gostavam de o ver mais conciliador e menos absolutista. Em número superior, por certo, aos representantes do 1 por cento (média de 30 mil em Alvalade) que, segundo BdC, já "condenaram os antigos dirigentes".
Teve oportunidade de ouro para ser esclarecedor, mas optou maioritariamente por iludir as questões. Confrontado com factos, distorceu-os com argumentos, alguns mais esburacados que muitas estradas de Portugal. As incongruências continuadas naquela sabatina sucederam-se, tal como as contradições. Mas, repete-se, foi um guião preparado para encantar a plateia de seguidores incondicionais. Pouco mais.
»

Pragal Colaço - Cronista de 'O Benfica'; «(...) Mas isto tudo o comentador sobrinho de Vítor Santos, esse sim grande jornalista, não tem conhecimentos suficientes para analisar.
É realmente um escriba sem qualidade técnica apurada e que não estuda devidamente as matérias antes de escrever sobre elas.
Daí que o seu último artigo em que menciona a BTV, seja uma perfeita ode aos Monty Python.
Adoro o filme dos Monty Python Life of Brian. Faz-me rir até cair no chão inanimado. Nunca pensei que voltasse a rir desta forma e muito menos com um artigo de opinião!
»

SIGA-NOS NO TWITTER AMIGO ON FACEBOOK REENCAMINHE PARA UM AMIGO
Copyright © *|CURRENT_YEAR|* *|LIST:COMPANY|*, All rights reserved.
*|IFNOT:ARCHIVE_PAGE|* *|LIST:DESCRIPTION|*
Remover | Preferências 
*|IF:REWARDS|* *|HTML:REWARDS|* *|END:IF|*