Não consegue ver correctamente? Abra no Browser.

Newsletter N.º 223

Mais um fim de semana vitorioso para as modalidades do Benfica o que, felizmente, começa a tornar-se num hábito.

Prosseguiu o campeonato com a realização da 12.ª jornada. Nada de novo com a vitória dos três grandes com a coincidência de todos terem marcado 3 golos.

Com nova jornada europeia, o Benfica cumpriu o seu último jogo e apesar de ter apresentado uma equipa que só tinha um titular do jogo da última jornada com o Belenenses logrou um empate que devia ter sido vitória face às oportunidades desperdiçadas. Maior virtude: o despertar de jogadores que a partir de agora justificam mais oportunidades. Por sua vez o FC Porto já apurado empatou com uma equipa de 'poupança' a pensar no clássico, e o Sporting obteve um resultado que muitos vaticinavam, com o 'azar' do Schalke 04 ter ganho em Maribor. A Liga Europa espera-o...

Domingo disputa-se o grande clássico candidato a jogo do ano. Esperam todos os benfiquistas que a equipa saiba protagonizar uma exibição à altura e obter um bom resultado.


Dia 6

Luís Pedro Sousa - Editor do Record; «1. O Sporting alcançou ontem no Bessa uma vitória com sabor a derrota, caso se verifique o pior cenário. Apesar do triunfo eloquente sobre o Boavista, os leões correm o sério risco de ficar durante longo período sem o seu jogador mais valioso. A perda de Nani, a confirmar-se, é pura e simplesmente irreparável, como se percebeu pelo semblante de Marco Silva no momento em que o internacional português, lesionado, solicitou a substituição. Em vésperas de decidir a permanência na Liga dos Campeões, frente ao Chelsea, e com a obrigação, no plano interno, de diminuir a desvantagem para os rivais, resta ao Sporting reaprender a viver sem o seu elo mais forte, praticamente o único que lhe dá uma dimensão superlativa. (...) »

Miguel Cardoso Pereira - Jornalista de A Bola; «(...) Ouvi em Coimbra adeptos sossegados do Benfica assobiar os outros. Também já o ouvi na Luz. Com outros emblemas, aliás, jáo ouvi nos principais estádios do País. Quando um clube, no entanto, estranha prontamente uma ação policial está a fazer passar uma mensagem de culto fanático: primeiro o nosso símbolo, depois a ordem geral. Concluindo: os clubes não têm de proteger os seus adeptos nos estádios. Quem tem de proteger os adeptos é a polícia. O clube deve limitar-se a ser o que é e, se for o caso, a estar na linha da frente das condenações morais. Caso contrário, que pode dizer um clube aos outros que estão na bancada, aqueles que, sendo muitos mais, só querem ver o jogo? Os adeptos não podem ser todos iguais perante os clubes. Os clubes não são a lei.»

Rui Santos - Jornalista no Record; «(...) Está na hora de um grande debate interno, olhos nos olhos, entre Vieira e Jesus. A renovação do contrato de Jesus faz todo o sentido para o futuro se Jesus assumir, com poderes alargados na estrutura técnico-desportiva, que tem condições para iniciar o processo de requalificação, a partir da base, do jogador "à Benfica". Jogadores que, entre os 18 e os 20 anos, estejam em condições de jogar na equipa principal. Se não for assim, não vale a pena pressõezinhas, ultimatos (mais ou menos subtis) e seus derivados. Aproxima-se a hora da verdade. Já chega de recados. »

Dia 7

Fernando Seara - Adepto Benfiquista em A Bola; «(...) Agora o desporto é lazer, é divertimento mas envolve também, traços de desordem e esboços de descontinuidade. E é palco de disputas concorrenciais fortes, por vezes impiedosas. Como percebemos bem nesta disputa em torno da RTP e do seu Conselho de Administração e relacionada com a aquisição por parte do serviço público de televisão português dos jogos das próximas épocas da Liga dos Campeões. E da não discussão, sequer, do cumprimento - em rigor incumprimento - do artigo 32.º da Lei da televisão e, em particular, da lista dos «acontecimentos de interesse generalizado do público que devem ser transmitidos por canal de televisão com cobertura nacional e em sinal aberto». E o despacho ministerial estabelece na alínea c) do seu número 1 que deve ser transmitido «um jogo por jornada do campeonato nacional de futebol da primeira liga 2014-2015 envolvendo necessariamente uma das cinco equipas melhor classificadas nos campeonatos das cinco épocas anteriores, considerando para o efeito o cômputo acumulado das respetivas classificações no conjunto dessas épocas>» Esta norma, que com a sua redação inclui o Sporting, não tem qualquer aplicação. E a sua irrelevância sígnifica uma de duas coisas: ou não tem sentido, e deve ser revogada, ou há um conjunto de interesses cruzados que impede a sua aplicação. Mas, acima de tudo, evidencia a não autoridade do Estado! (...)»

José Manuel Meirim - Especialista em Direito Desportivo, em A Bola; «(...) 3. Não obstante o afirmado, o Tribunal Arbitral do Desporto move-se. Após a tomada de posse do Conselho de Arbitragem Desportiva, eis que agora no passado dia 1 de Dezembro - se deu pública notícia de que, em breve, as entidades que têm a faculdade de apresentar propostas de árbitros ao CAD, vão ser interpeladas para esse efeito. Ou seja, por assim dizer, entra-se na fase da constituição da lista de árbitros (40) do TAD. Assim, em particular as federações desportivas e outras organizações desportivas, vão ter agora o seu primeiro momento de responsabilidade. Na verdade, ao indicarem a "sufrágio" do CAD os que entendem puderem ser árbitros do TAD, assumem um papel activo na própria credibilidade dessa instância. Se é certo que a última palavra é do CAD, não é menos verdadeiro que as concretas propostas, o seu valor, não deixará de reflectir o que tais entidades entendem do TAD.»

Ricardo Costa - Professor de Direito da Universidade de Coimbra no Record; «(...) O que diz o regulamento? "Nas situações de cedência de utilização temporária de um jogador, por parte do clube a que se mostre contratualmente vinculado a um outro clube, não nulas e de nenhum efeito quaisquer claúsulas, ainda que estabelecidas ou acordadas entre as partes intervenientes, e nomeadamente entre clube cedente e clube cessionário, que, por qualquer forma, visem limitar, condicionar ou onerar a livre utilização do jogador em causa por parte de clube cessionário na vigência do período de cedência temporária". Sendo assim, o princípio é o da impossibilidade de restrição de utilização nos jogos entre os clubes envolvidos, ao invés do primado da sua vontade e liberdade contratual. Logo, se houver razões para averiguar, qual o ilícito que corresponderá ao incumprimento do dever de conformação com aquela inibição de "impedimentos"? Nenhum ou meramente residual/bagatelar? "Fraude na celebração de contratos" = multa? Conduta lesiva dos "princípios da ética desportiva ou da verdade desportiva" ou causadora de "grave prejuízo para a imagem e o bom nome das competições" = interdição de campo? Ou "tráfico de influências" atentatório do "desenvolvimento regular dos jogos" = descida de divisão? Já agora, conviria "pensar" sobre a pergunta...»

Dia 8

Alberto do Rosário - Gestor, no Record; «(...) Os comentadores são muito críticos em relação ao sector defensivo da equipa, sobretudo quanto aos centrais. Ora, a exigência melhora as coisas mas não se pode fazer Roma e Pavia num dia. Os dinheiros são o que são e o caminho faz-se andando no andamento que as pernas deixam. É de bom senso e da lógica que quando está lá a qualidade só jogando se evolui. Paulo Oliveira é uma das provas disso.
É bem melhor seguir um caminho sólido e estruturado, mesmo que os resultados não sejam cintilantes, que apostar em avanços e recuos como acontece com o rival encarnado. Sem dinheiro os vícios duram pouco.
»

José Manuel Delgado - Sub-Director de A Bola; «(...) Como harmonizar, então, pontos de vista contraditórios e quase inconciliáveis? Usando dois instrumentos essenciais: bom-senso e transparência. Se cada clube não puder emprestar a outro, que esteja no mesmo campeonato, mais do que um jogador; e se esse jogador ficar, sem segredos nem meias-palavras, impedido de atuar contra o clube que o empresta; estaremos perante uma solução razoável, que não impede a evolução de alguns jogadores, respeita a verdade desportiva e é transparente.
Nesta matéria, como em tantas outras, a bola está do lado dos clubes, que têm iniciativa, em sede da Liga, para promover as necessárias alterações regulamentares. O problema é que, historicamente não tem havido vontade de sair do pântano em que a situação dos jogadores emprestados se encontra (quem não tiver telhados de vidro que atire a primeira pedra...). Por isso, em vez de protestos casuísticos e lições de moral à medida das conveniências, bom seria que se passasse, já com os olhos postos na próxima época, a medidas concretas que resolvessem de uma vez por todas uma situação que não pode nem deve agradar a ninguém.
»

Santos Neves - Jornalista de A Bola; «Nem de propósito: o FC Porto pula para o 2.º lugar exatamente na jornada anterior a defrontar, em sua casa, o líder Benfica. Mais curioso do que importante, pois mantém-se a diferença de 3 pontos que, no intenso confronto do próximo domingo, será anulada, mantida ou ampliada. Ultrapassagem portista ao V. Guimarães, o qual, no entanto, se saiu bem da sempre quente, ou mesmo escaldante, deslocação a Braga: primeiro visitante ali não derrotado. Ou como, na perspetiva da tão forte rivalidade minhota, a equipa de Rui Vitória (13 pontos conquistados em 6 jogos fora de casa) mantém 5 de vantagem sobre a de Sérgio Conceição.
Outro beneficiado de Guimarães e Braga se terem neutralizado: o Sporting, ascendendo ao 4.º lugar, já pensando em reaproximação a Benfica, ou FC Porto (ou a ambos) no próximo domingo; certeza que só terá, se, duas horas antes, cumprir obrigação de, em Alvalade, bater o Moreirense que ontem subiu até ao meio da tabela e já obteve 7 pontos em campo alheio. (...)
»

Dia 9

António Simões - Jornalista de A Bola; «(...) Três exemplos de que só na falta de memória histórica (ou tê-la em armadilhas...) - é que Jesus pode ser o que livrinho que se fez diz que é: um dos três melhores treinadores da sua história, ao lado de Eriksson e Guttmann. Se fosse verdadeiro o Benfica não seria tão grande como é: dos 292 jogos em que o orientou saiu com percentagem de vitórias de 69,5% - mas o melhor é nem lembrar o que o FC Porto lhe ganhou (e a outros não)...»

Fernando Guerra - Sub-Director de A Bola; «(...) No último debate dos domingos em A BOLA TV sugeri o favoritismo do Benfica, porque tem absoluta necessidade de somar três pontos, devolver a confiança possível à massa adepta e provar em campo que é o candidato número um ao título. O meu companheiro José Manuel Freitas discordou. Na opinião dele o favoritismo pende para o FC Porto, por causa da diferença pontual que lhe é desfavorável e por considerar que o treinador encarnado costuma ficar constrangido quando pisa o palco do Dragão. Neste caso, a prudência manda esperar... para ver. No próximo domingo a gente conversa. »

Norberto Santos - Redator Principal do Record; «(...) Lisboa é um gigante que tem a sua vida retratada em livro. É mais uma maneira de se conhecer o percurso do jogador que aterrou há 40 anos em Lisboa e há 30 fez o primeiro jogo oficial pelo Benfica.
Porém, a homenagem prestada pelo presidente Luís Filipe Vieira abarca uma visão futurista. Quem gostar de basquetebol pode ir ao Museu do Benfica/Cosme Damião apreciar vídeos e ver o enquadramento da emblemática figura na história da modalidade no clube. Mas, ali mesmo ao lado, no pavilhão, está içada uma camisola que mais ninguém irá vestir. É o monstro sagrado do nosso basquetebol. De ontem, hoje e amanhã.
»

Dia 10

Bernardo Ribeiro - Director-Adjunto do Record; «(...) Com o FC Porto a cumprir calendário após um apuramento brilhante, o que dizer de um Benfica que com a segunda equipa se bateu de igual para igual com o Bayer? Primeiro, que afinal Jesus tem opções interessantes no banco. Segundo, que os encarnados podiam bem ter discutido a fase de grupos da Champions de outra forma. Terceiro, que uma vitória ou empate no clássico apagará tudo e um desaire levará a outras conversas. No fundo, acredito que Jesus fez mal as contas. Pensou que a gestão chegaria para passar à Liga Europa mas o plano saiu furado. É pena, porque fica uma sensação de desaproveitamento e até alguma leviandade na forma como o Benfica encarou a Europa. É óbvio que a tirada de Lisandro gera sorrisos amarelos - "o Benfica tinha equipa para chegar à final" -, mas são muitos os que acreditam que era possível ter feito bem melhor. A conquista do título legitimará todas as opções, por estapafúrdias que sejam. O falhanço interno obrigará ao divórcio. E podia não ter sido assim.»

Fernando Guerra - Sub-Director de A Bola; «(...) Até ontem, o registo da pior assistência da época no Estádio da Luz verificou-se num jogo da Taça de Portugal, com o Moreirense, a 22 de Novembro: 22.447 espectadores. Defender o prestígio do emblema da águia e destacar a vertente financeira, estrategicamente generosa para os vencedores e ingrata para os perdedores, foram ideias que o treinador encarnado quis valorizar, e bem, embora fora de horas. Esta aparente ambição devia tê-la proclamado na linha de partida, quando 'se deixou' tropeçar em defeituosa interpretação acerca da 'teoria das prioridades'. Admirados ficaram de certeza os alemães, adeptos, mais dirigentes, futebolistas e técnicos, os quais continuam a venerar o 'Benfica de Eusébio' e, por isso, terão estranhado tanto estádio com tão pouca gente. Bancadas frias, cadeiras vazias, a pior assistência da presente temporada -17.564-, prova provada de que a família benfiquista começa a ficar saturada de expectativas goradas... »

José António Saraiva - Director do 'Sol' no Record; «(...) O Benfica vem em terceiro lugar. A equipa já teve bons momentos mas nunca fez bons jogos. Teve bons momentos contra o Sporting, contra o Zenit (em São Petersburgo), contra o Moreirense, mas que não passaram disso mesmo: de lampejos sem continuidade. Em duas posições-chave o Benfica não tem soluções: no médio-defensivo e no avançado-centro. Enquanto na primeira posição o FC Porto tem Casemiro (e Rúben Neves), enquanto o Sporting tem William Carvalho, o Benfica adaptou Samaris - mas é óbvio que ainda é um jogador à procura do seu espaço. Faz muitas faltas, erra muitos passes, tem falhas posicionais clamorosas. Quanto ao avançado-centro, o FC Porto tem um super Jackson Martínez, o Sporting tem um poderoso Slimani, e o Benfica não tem ninguém. Joga Lima, joga Derley, joga Jonas mas nenhum deles é um avançado-centro puro. O Benfica não substituiu Cardozo e está a sentir-lhe a falta. Na época passada ainda disfarçou com Lima e Rodrigo lado a lado, mas Rodrigo saiu, Lima está fora de forma, Derley e Jonas não têm velocidade e Talisca ainda procura a melhor posição. Dito isto, será preciso um milagre não perder no Dragão. Poderá ser o clássico mais desequilibrado da era Jesus.»

Dia 11

Carlos Barbosa da Cruz - Advogado no Record; «(...) Serve esta introdução para abordar um tema que já foi muito dissecado esta semana, em concreto a não utilização, pelo Belenenses, dos seus jogadores Deyverson e Miguel Rosa contra o Benfica. Curiosamente, não vi o assunto tratado na dimensão que me parece mais interessante, que é a sua vertente ética. Um mínimo de respeito por si próprio e pelos outros aconselha a que as pessoas não se convençam que todos são parvos e que engolem qualquer explicação, mesmo a mais inverosímel, que se dê sobre determinado facto. Chamo a isto "o síndroma do sobrinho taxista na Suíça" e os meus leitores mais informados perceberão... (...)»

José Manuel Delgado - Sub-Director de A Bola; «(...) O Benfica nunca se mostrou interessado em respeitar a Liga dos Campeões, esqueceu as responsabilidades que tem na UEFA e acabou com uma tristonha saída pela porta dos fundos, sem honra nem glória (e com pouco dinheiro...). Já o FC Porto esteve à altura das circunstâncias. Foi competente, sentiu-se como peixe na água nos grandes palcos e vai encarar o sorteio da próxima segunda-feira ao lado dos grandes da Europa.
Em fevereiro, quando regressarem a Liga Europa e a Liga dos Campeões, é com Sporting e FC Porto que o futebol português vai contar. Para a missão quase impossível de impedir um grande tombo lusitano no ranking da UEFA.
»

Pedro Guerreiro - Jornalista, no Record; «(...) Se o Porto ganhar no fim de semana, o muito pouco convincente Lopetegui poderá chegar ao Natal como o mais afortunado treinador dos três grandes, pois ainda estará na Champions e a disputar uma Liga de Clubes onde o Benfica terá de reequilibrar-se depois de vender jogadores decisivos. Se assim for, e com o Guimarães a fazer este figurão, o Norte será o polo onde o Pai Natal deixará presentes mais felizes. O braço-de-ferro entre Jesus e Lopetegui dirá.»

Dia 12

André Ventura - Colunista de 'O Benfica'; «(...) Temos, portanto, dois gigantescos desafios pela frente, que representam uma prova de fogo à capacidade de liderança deste Benfica. Vencer o colectivo de Lopetegui será fundamental para nos isolarmos na liderança e começarmos a solidificar a primeira posição já para a segunda volta do campeonato nacional. Derrotar a equipa minhota é imprescindível para deixar claro que a derrota em Braga foi um desaire auxiliado por uma péssima arbitragem... e nada mais!
O jogo frente ao FC Porto terá ainda, no entanto, outro nível de importância: será o desafio da cultura de jogo frente à irregularidade. O confronto entre a cultura de jogo consolidado de Jorge Jesus com a mal afamada rotatividade persistente de Lopetegui. A magia de Gaitán e a beleza concretizadora de Talisca frente aos possantes Brahimi e Jackson Martinez. A vitória do Benfica será, por isso mesmo, a vitória da táctica e da cultura de jogo ofensiva e do risco. Jesus gosta de assumir riscos... e nós gostamos de ver jogar um Benfica assim.
»

António Oliveira - Ex-Seleccionador Nacional, no Record; «(...) Para o FC Porto, esta é a oportunidade ideal para chegar à liderança do campeonato e juntar a isso a vantagem direta sobre o principal adversário. E, por força da rivalidade histórica entre os emblemas, é o jogo que os portistas mais querem ganhar. Como dizem os espanhóis, a equipa de Julen Lopetegui jogará com "ilusão", no sentido da palavra para expressar sonho, desejo, esperança e ambição. E motivados pelo crescendo de forma, que lhes tem permitido aliar boas exibições a vitórias, os dragões partem com a motivação em alta.
O Benfica terá também uma palavra a dizer e a sua equipa tem qualidade mais do que suficiente para vencer na casa do rival. Prova disso é a campanha positiva no campeonato, que lidera com grande eficiência.
»

Paulo Teixeira Pinto - Adepto portista em A Bola; «(...) 6. Tudo isto estará muito bem. Afinal, por isso é que estas coisas são mesmo assim. Mas outras há que não podem, de maneira nenhuma, não podem mesmo, ser admitidas. Nem sequer toleradas. Porque ofendem os pruridos sensíveis das almas que zelam pela moral desportiva. 7. O cabo-verdiano Kuca foi multado em 3825 euros por ter mostrado a seguinte mensagem quando marcou um golo do Estoril na última jornada: «Ajude a ilha do Fogo». 8. Já todos sabíamos da tragédia que está a devastar esta ilha de Cabo Verde. Agora passámos também a conhecer a corrente cotação da hipocrisia no mercado dos valores que governam o futebol. »

SIGA-NOS NO TWITTER AMIGO ON FACEBOOK REENCAMINHE PARA UM AMIGO
Copyright © *|CURRENT_YEAR|* *|LIST:COMPANY|*, All rights reserved.
*|IFNOT:ARCHIVE_PAGE|* *|LIST:DESCRIPTION|*
Remover | Preferências 
*|IF:REWARDS|* *|HTML:REWARDS|* *|END:IF|*