Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares

Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares


Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates Lapidares Artigos de Opinião
 
Comentários a Artigos

Telhados sem telhas
Alberto do Rosário, jornal Record
1 de Junho de 2011




Nos seus curtos (felizmente) arrazoados, um tal Alberto do Rosário, sportinguista confesso, tenta esforçadamente dar algum alento à especulação que o pasquim do director Pais e outros órgãos do mesmo género, fazem sobre as alegadas escutas que mãos pressurosas da P.J. e/ou do Ministério Público terão feito a pessoas de alguma forma relacionadas com o Benfica.

Não restando dúvidas sobre a origem da fuga de informações, julgamos que era tempo mais do que suficiente para o MP, face ao alarme social entretando gerado, já ter divulgado um curto comunicado a situar os factos na sua verdadeira dimensão. Mas isto seria provavelmente exigir muito.

Aliás, o que agora está mesmo a dar é o alarme social. Vejamos: No chamado caso Luis Alberto/Jorge Jesus (e que a opinião pública nunca chegou a perceber), a C.D. da Liga só agiu face ao alarme social que o caso gerou; no caso recente da violência de adolescentes, o MP só actuou (com lugar a prisão preventiva – Uau!) porque a divulgação das imagens (iguais infelizmente a tantas outras) no Youtube, causou alarme social; no caso do Roberto, as autoridades só acorreram pressurosas a pedir o contrato, porque a estranheza (???!!!) do montante pelo qual ele foi adquirido, foi hábil e persistentemente divulgada nos pasquins de referência e isso provocou um enorme alarme social. Ou seja, neste País as autoridades agem por impulsos e em função do alarme social. Estamos esclarecidos!

Regressando ao tal do Rosário, não nos surpreende o seu rambório porque ele enquadra-se no assobiar para o ar de muitos, e ajusta-se na perfeição à campanha do pasquim. Uma das principais razões porque este país há-de viver eternamente na suspeição, é porque os Rosários cá do sítio não defendem a realidade global mas tão só a verdade a que eles se julgam com direito.

No campo desportivo, todos os factos anómalos que foram transpirando para a opinião pública nunca pareceu preocupar essa gente, mas a partir do momento em que o Benfica na pessoa do seu presidente começou a insistir publicamente na necessidade de investigar o que agora sabemos com mais detalhe, muitas pessoas começaram a ficar incomodadas (nessa altura ainda não tinha entrado em vigor a rábula do alarme social). De repente, LFV e o Benfica criaram uma multidão de inimigos.

Essa persistência do presidente do Benfica deu no que deu (afinal ficámos a saber que há escutas que não valem, ao contrário de outras (será que tem a ver com a tecnologia utilizada ou com a cor do equipamento?), embora apesar de nada ter ficado como dantes, pois a opinião pública ficou a saber na prática o que suspeitava na teoria.

Seria pois interessante que qualquer pessoa bem formada e possuidora do mais elementar senso comum, defendesse o completo apuramento da verdade, aparte os visados serem pessoas, empresas ou clubes, e fosse qual fosse o sector da sociedade ou a região onde se inserem pois o fenómeno é transversal.

Mas não. Continuamos no tempo em que os interesses pessoais ou sectoriais se sobrepõem aos interesses da sociedade e em que muitos se devotam a esse asqueroso papel de delatores. Lançam atoardas para o ar sob a forma de farripos para propositadamente criarem a suspeição ou a dúvida na opinião pública sobre este ou aqueles a quem querem atingir. São os ratos do esgoto que só sabem chafurdar na imundice.

Desconhecemos em que se baseia Rosário e todos os fieis membros da nova campanha, para comentar um assunto de uma forma que o devia envergonhar (isto obviamente se a honestidade intelectual fizesse parte do seu cardápio). A espantosa mensagem que pretendeu transmitir foi esta: LFV e os benfiquistas deveriam estar mudos e quedos e não terem solicitado uma investigação dos factos alarmantes que circulavam sobre ‘os senhores do Norte’, pois tinham ‘telhados de vidro’ e agora estão a pagar as ‘fisgadas’ que atiraram sobre as paredes de betão nortenhas.

É de facto uma conclusão que não merece que percamos tempo com ela, tal a pequenez do seu alcance. Como já por mais do que uma vez aqui o dissémos, continuamos a aguardar com toda a serenidade a conclusão deste caso de alarme social, esperando que os maus sejam punidos se for caso disso, e isto vale para quem fez, mas sobretudo para quem diz que fez o que não foi feito.

É mais do que altura de acabar com estas eternas suspeições, investigar globalmente o fenómeno e não agir por impulsos, Ah, e acabar com a impunidade e castigar severamente os caluniadores se também for caso disso... O que não duvidamos pelas "fontes".





Social Networks Artigo Original | Comentários | Página Anterior Bookmark and Share  







Artigo Opinião
Siga-nos no:
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Facebook
RSS


   
Web Design & SEO by ViviDelux