Anti-Benfica.COM | Home Page





 


Pa... pa... ga... io
Declarações de André Villas-Boas
24 de Janeiro de 2011


Habituados que estamos às práticas de autocomiseração made in Pedroto, resvaladas que foram para a pútrida era de Pinto da Costa, assistimos impávidos e serenos a mais um exemplo de devoção para com o ‘chefe de caixa’.

André Villas-Boas não inaugurou e tão pouco encerrará a contabilidade dos papagaios ou aves raras no Dragão, relembramos outros - alguns dos quais bem recentes como Jesualdo Ferreira, os quais apenas só na hora da despedida demonstram algum desportivismo quando assentem em entrevista que apenas não venceram o Campeonato porque não foram competentes, ademais que o Benfica foi um justo vencedor.

Porquanto no domínio do Dragão assistimos previsivelmente a um chorrilho de imbecilidades da parte dos técnicos, algo que decerto embevece Dom Jorge Nuno, personalidade adepta do bom humor desde que o denominador não seja ele.

É por conseguinte compreensível a má vizinhança que por lá criam os técnicos com alguma personalidade, que o digam Adriaanse e Mourinho - agredidos, vaiados, envoltos em melodramas passionais e à parte nas celebrações ditas europeias -, servidos que foram os propósitos do clube e de uma SAD sem escrúpulos, poucas ou nenhumas vezes assistimos a uma constatação de saudade por parte dos técnicos.



Falando de Mourinho e do seu bem conhecido André Villas-Boas, sabe-se não ser nada fácil ao jovem técnico assistir às públicas constatações do Presidente em prol de Mourinho - «o melhor do mundo». Pese embora a poeira que o jovem fez questão de levantar aquando dos louvores do GPS da Madalena, até fazendo crer os mais cépticos que afinal tem consideração por Mourinho e não é apenas um produto de Bobby Robson, sabe-se bem que o ego de André Villas-Boas é um poço sem fundo.

Talvez por isso o jovem técnico acumule cargos no Dragão e se desdobre entre treinador principal (de uma equipa que ultimamente tem deixado muito a desejar) e papagaio de serviço, algo que muito satisfaz o Presidente, recatado para desafios vindouros.

Felizmente que temos uma imprensa desportiva atenta, ávida de alimentar as já comuns guerrilhas Benfica – FC Porto. Foi assim, inoportunamente e descontextualizado, combinando a vontade de ter protagonismo com a habitual falta de bom senso que André Villas-Boas se dirigiu a Jorge Jesus, no seguimento do desaguizado após o Benfica – Nacional.

Disse André Villas-Boas que «Esse assunto não nos diz respeito»... mas... como resistir? Falando de respeito ou não, lá retorquiu para gáudio da imprensa que «Afinal, o graúdo faz figuras piores», entre outros “recados” para o Estádio da Luz.

E é assim que na senda do que foi e vem sendo a autocomiseração de José Maria Pedroto e Pinto da Costa, com historietas em torno de Clubes do Regime, Estádios Municipais de Oeiras e Calabotes, assistimos agora à frescura da geração de 70, com uma reformulação do «coitadinhos de nós» e do «contra tudo e contra todos».

Disse AVB que «Seis vitórias consecutivas do FC Porto terão zero de importância, se forem outros a consegui-lo terão já muita importância. Mas nós queremos essa equipa por cima, porque dá-nos jeito. Foi essa equipa fortíssima que vencemos na Supertaça», adiantando ainda que «O Benfica é protegido por alguma Comunicação Social. Não é novo, é cultural. O FC Porto agradece, pois isso também nos faz chegar ao sucesso».

Digam lá agora que o tempo cura tudo...


Comentários | Voltar ao Topo | Página Anterior Bookmark and Share  

 
Web Design & SEO by ViviDelux
Home Page Quem Somos Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Seara Alheia Artigos de Opinião Disparates Lapidares Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates LapidaresArtigos de Opinião