Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares

Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares


Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates Lapidares Artigos de Opinião
 
Comentários a Artigos

Intérpretes do Sistema
Rui Moreira, jornal A Bola
26 de Agosto de 2011




Alguns observadores têm vindo a interrogar-se sobre a capacidade de adaptabilidade do Sistema e a forma como ano após ano se vai renovando e sobrevivendo aos ataques externos que visam como ó óbvio, a sua destruição.

Solidamente implantado na sociedade portuguesa com os seus tentáculos a estenderem-se a múltiplos sectores, o Sistema, apesar de já ter vivido dias melhores, ainda continua a deter uma imensa influência e a generosa participação de alguns ponta-de-lança que num esforço insano procuram disfarçar e branquear situações recorrentes, sobre as quais contam com o factor habituação da opinião pública.

Recuando nos tempos, não temos memória em que não tenha havido um início de campeonato atribulado e em que não tenham havido problemas sérios com a arbitragem e em que invariavelmente os beneficiados e os prejudicados não sejam sempre os mesmos.

Nos últimos anos, é justo reconhecer que os adeptos e a opinião pública em geral têm vindo a demonstrar uma cada vez maior consciencialização e focagem no problema e, comparativamente à temporada anterior, a transacta teve o mérito de fazer alertas logo desde o início.

Para sermos francos, não tínhamos grandes expectativas para a presente, como por vários vezes  tivémos ensejo de o exprimir. Não era aliás difícil, perante cenários absolutamente idênticos. Se nada se alterou, se os intérpretes continuam a ser os mesmos, e se as regras se mantêm inalteráveis, como esperar uma situação diferente? A principal diferença foi que para além dos alertas, o Sporting trouxe para a praça pública um problema que todos sabemos como e porque existe. Apesar de tardiamente, mais vale tarde do que nunca.

E, tal como na(s)época(s) anterior(es), tudo sucedeu de acordo com o expectável. Desta vez o Benfica não foi prejudicado mas para variar, o FC Porto recolheu vantagens. E o Sporting, que aparentava melhorias competitivas, foi logo posto em sentido. Dirão alguns que malgré tout, quer os encarnados quer os verdes e brancos, só não ganharam por culpa própria. É verdade. Mas quem garante que o FC Porto ganharia se Benquerença tivesse sido coerente?

Afirmam os pintistas como Rui Moreira que em Guimarães ‘o penalty foi marcado de acordo com as regras’. Estaríamos tentados a aceitar essa explicação se isso correspondesse a um acto de coerência. Mas como todos sabemos isso não corresponde minimamente à verdade. Compreendemos que Moreira tente fazer a defesa e enaltecer as virtudes do Sistema, mas recorrer ao velho truque de querer atirar poeira para os olhos da populaça configura uma acção pouco ética para não dizer condenável.

Se ‘o penalty foi marcado de acordo com as regras’, como explica o sócio do ano portista que o mesmo árbitro, no mesmo Estádio, e contra o mesmo adversário, não tenha marcado na temporada anterior dois penálties a favor do Benfica? Como explica Moreira que na 1ª jornada da mesma época na Luz, Cosme Machado não tenha cumprido as regras e tenha feito vista grossa a 4 penalties contra a Académica?

Pois, são esses pequenos expedientes que fazem toda a diferença. É que se tudo tivesse sido feito de acordo com as regras, neste momento e com fortíssimas probabilidades, o FC Porto, o Benfica e o Sporting encontrar-se-íam todos a par com 4 pontos. Assim é o que se sabe...

É manifestamente interessante de observar que Moreira numa clara tentativa de desvalorizar e branquear tudo aquilo que, apesar de óbvio, contraria os interesses portistas, tem vindo a fazer marcação cerrada a todos os que expressam opiniões de harmonia com a sua própria consciência. Os pintistas e nomeadamente o capataz dentro da sua mentalidade aldeã, não concebem que nem todos se colocam de côcoras perante os seus interesses espúrios e que felizmente ainda existem jornalistas e comentadores que de uma forma independente expressam livremente a sua opinião.

Que a anquilosada mente do capataz não enxergue para além da estratégia golpista que sempre o caracterizou ainda (com esforço) conseguimos entender. Mas que pessoas mais novas, com outra capacidade intelectual e que era suposto terem uma mentalidade muito mais aberta à sociedade insistam em tapar o sol com uma peneira é que, de facto, vai muito para além da nossa compreensão pois em vez de avançarem, regridem.

Mas, ponderando bem as coisas, alguém ainda acreditava que podia ser diferente?




Social Networks Artigo Original | Comentários | Página Anterior Bookmark and Share  






Artigo Opinião
Siga-nos no:
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Facebook
RSS


   
Web Design & SEO by ViviDelux