Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares

Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares


Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates Lapidares Artigos de Opinião
 
Comentários a Artigos

Inversões estratégicas
Francisco José Viegas, jornal A Bola
25 de Março de 2011



Nos últimos dias, temos observado que os escribas azuis e brancos como que obedecendo a uma estratégia concertada, estão a sofrer uma metamorfose acelerada, auto-transformando-se repentinamente em inocentes cordeiros em que até qualquer lobo mau teria constrangimentos em devorá-los.

Seja por inversão estratégica, seja por terem finalmente chegado à conclusão que o apelo às armas redunda numa guerra sem quartel sem que daí possam extrair os benefícios tal como nos bons velhos tempos, o que é facto é que, a avaliar pelas crónicas de hoje de Francisco José Viegas (FJV) e Rui Moreira, há como que um enterrar do machado com apelos eternecedores à paz.

Resta-nos pura e simplesmente aguardar o desenrolar dos acontecimentos futuros, querendo acreditar que esta acção não será similar aquela que as facções beligerantes acordam o cessar fogo, mas rapidamente uma das partes (ou até mesmo uma terceira) dispara um tiro e recomeça o tiroteio e consequentemente a guerra, com acusações mútuas de que a outra parte não respeitou o acordo.

Mas é indubitável que o facto em si é positivo e vem de encontro aquilo que sempre defendemos: o desporto em geral e o futebol em particular devem ser uma festa perfilhada por todos, independentemente da rivalidade existente, embora se saiba que no fim apenas um pode comemorar. É no fundo a essência do desporto e da vida.

Ora compete-nos a todos pugnar para que isso aconteça, e é aí que se começam a observar as nossas divergências que têm aumentado de intensidade perante os sucessivos factos negativos que se têm registado, durante o consulado do actual presidente azul e branco. Basta ver as suas declarações e os comunicados da SAD dos últimos dias, dos quais os escribas afectos, por motivos óbvios, não se demarcam.

Todos sabemos que os energúmenos no verdadeiro sentido da palavra, têm tendência a praticar os seus actos cobardes sob a capa do anonimato. Mas não podemos ignorar que a constância e o incremento desses actos, têm a ver com os incentivos nem que sejam simplesmente morais, que recebem seja qual for a sua origem. Se não encontrarem terreno favorável para praticarem os distúrbios, e se ao acontecerem forem fortemente criticados pelas estruturas dirigentes dos clubes, pelos media e pela opinião pública, as suas motivações para essas acções condenáveis serão inevitavelmente refreadas.

É público e notório como se chegou a este ponto. E pese embora as tentativas de colocar agora nos mesmos pratos da balança os dirigentes do Benfica e do FCPorto, apesar dos discursos oficiais e das tentativas vãs de igualizar as atitudes e as ocorrências, salta à vista que será muito difícil para não dizer impossível, uma completa regeneração de mentalidades azuis e brancas que estão por demais rotinadas para praticarem qualquer tipo de inversão.

Por parte da esmagadora maioria dos benfiquistas, é inquestionável que pretendem que o desporto e o futebol sejam actividades desportivas onde possam ser potenciadas paixões mas dentro da ética e da razão, e não pretextos para descarregarem as suas frustações ou extravasar outro tipo de ambições inclusivamente de matriz política.

Isso mesmo temos vindo a alertar com regularidade e a chamar a atenção para os desmandos praticados e para o espiral de violência registado, como forma de cumprir o ditado do ‘mais vale prevenir do que remediar’. Mesmo sem termos sido correspondidos e sendo que nalguns casos as respostas obtidas foram o insulto gratuito e as manobras dilatórias de justificar o injustificável, nos fizeram desviar da rota que previamente traçámos.

O único e provavelmente inultrapassável problema, são as atitudes comportamentais do presidente do FCPorto e do seu modus operandi que colide frontalmente com a verdade desportiva tão escarnecida e glosada por insignes portistas, porque temos as mais sérias reservas que depois de tantos e tantos anos, ele consiga por artes mágicas passar a ter um comportamento normal. Seja como for, esta é a nossa posição e não nos desviaremos dela nem um milímetro porque é a nossa firma convicção e a certeza que estamos no caminho correcto.

Compete assim aos que agora estão a defender de uma forma aparente a mesma posição, demonstrar por palavras e sobretudo por actos que concorrem para o mesmo fim.


Social Networks Artigo Original | Comentários | Página Anterior Bookmark and Share  







Artigo Opinião
Siga-nos no:
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Facebook
RSS


   
Web Design & SEO by ViviDelux