Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares

Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares


Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates Lapidares Artigos de Opinião
 
Comentários a Artigos

Barracas e barracadas
Miguel Sousa Tavares, jornal A Bola
22 de Fevereiro de 2011



«É tão natural destruir o que não se pode possuir, negar o que não se compreende, insultar o que se inveja». Esta citação de Honoré de Balzac, ilustra bem o que perpassa pela mente de alguns indefectíveis portistas que não se conseguem libertar do estigma populista imprimido ao FCPorto por catedráticos de uma velha escola onde já leccionam há 30 anos ininterruptos.

Fiel a esse estilo popularacho e trauliteiro (para não destoar), Miguel Sousa Tavares (MST) cuja paixão pelo país irmão é uma evidência sempre sublinhada, disserta hoje na sua crónica sobre um tema que provavelmente fará inveja a muitos, que tem a ver com verão e com praias escaldantes, quando nós aqui atravessamos um inverno que se tem revelado deveras rigoroso.

Mas MST detém-se numa particularidade deveras sugestiva e cativante – As Barracas de Praia, com uma descoberta digna do Cabral de quinhentos e que merece ser assinalada e comemorada com euforia, pois no tão longínquo Brasil e na tão afamada Copacabana, estão desfraldadas ao vento 3 (três) bandeiras do FCPorto, sendo o único clube estrangeiro do mundo a lá estar representado!

E o mundo a pensar que os brasileiros estavam mais documentados com o que se passa na Europa. Isto de ignorar clubes como o Real Madrid, Barcelona, Manchester United, Inter de Milão, Bayern de Munique, etc, logo num país com tanta tradição no futebol não lembrava mesmo ao diabo. Percebem agora como é injusto acusar-se o FCPorto de ser apenas um clube regional?

Seguindo essa linha de raciocínio, ainda demos por nós a pensar que MST iria desenvolver um pouco o tema do futebol de praia e falar sobre os talentos emergentes que evoluem nas areias da sua praia favorita mas não tivémos sorte. Mesmo a tantas milhas náuticas de distância, MST estava afinal ansioso para falar do (Sporting)-Benfica e saber que ainda não podia encomendar as faixas...

«Não há nada a dizer sobre a justiça da vitória do Benfica», mas... respigámos ao acaso algumas tiradas de MST: «Depois (O Sporting), teve azar nas ocasiões em que bem podia ter empatado, entre o 0-1 e o 0-2,e não teve sorte nas decisões da arbitragem», «Mas o Benfica (...) chegou ao 2-0, num duplo golpe de sorte: erro de avaliação do árbitro e autogolo de Polga», «Mas, se eu fosse como alguns advogados benfiquistas, podia dizer o seguinte: que Artur Soares Dias, um árbitro do Porto com categoria e personalidade, cometeu – como todos os árbitros sempre cometem – erros importantes e sempre a favor do Benfica, (...) perdoou uma cotovelada intencional de Cardozo (...); perdoou outro vermelho directo a Jardel por uma autêntica agressão à cabeçada sobre Cristiano e, pior que tudo, transformou em livre à entrada da área e amarelo para Polga um corte limpíssimo, que teria merecido, sim o amarelo a Gaitán por simulação».

Chegados aqui estamos completamente baralhados porque deixámos de saber o exacto significado da palavra coerência e provavelmente estamos a caminhar em passo apressado para a senilidade. Como perceber coerentemente MST quando começa por dizer que não há nada a dizer sobre a justiça da vitória do Benfica, mas depois enuncia um ror de erros arbitrais importantes sempre a favor do Benfica?

Com efeito, para além da expulsão de Sidnei (da qual curiosamente se esqueceu), fala em nada mais nada menos de 3 lances passíveis de expulsão de jogadores do Benfica (recorde-se que Gaitán já tinha um amarelo), o que deixaria o Benfica reduzido apenas a 7 jogadores...

Como volta a confundir mérito com benefícios directos e indirectos da arbitragem (por este tipo de análises facciosas, percebe-se que árbitros só beneficiam o Benfica), recordar-lhe-emos (para o caso de se ter momentaneamente esquecido) que este ano tem sido mais um campeonato à antiga. Desta vez à 10ª jornada o FCPorto ainda não era campeão, porque o regabofe foi interrompido à 5ª jornada face à forte reacção pública dos benfiquistas.

Por esse motivo e pegando numa frase que lhe deve dizer alguma coisa, diremos que: ‘Dificilmente os benfiquistas e os adeptos em geral irão reconhecer o mérito do FCPorto na presente época, caso venha a conquistar o campeonato’.

Para que conste...


Social Networks Artigo Original I | II | Comentários | Página Anterior Bookmark and Share  







Artigo Opinião
Siga-nos no:
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Facebook
RSS


   
Web Design & SEO by ViviDelux