Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares

Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares


Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates Lapidares Artigos de Opinião
 
Comentários a Artigos

Constelações
Rui Moreira, jornal A Bola
11 de Março de 2011



Do mesmo modo que Luís Filipe Vieira e uma boa fatia de benfiquistas mais atentos leram nas estrelas que a Liga Zon Sagres seria sobejamente inquinada, também a estratégia do artigo do sócio do ano portista Rui Moreira (RM) seria passível da habitual previsibilidade – são tácticas com 30 anos, afinal de contas, das quais sublinhamos a bacoquice, a previsibilidade e a repetição, bem como as tentativas mal conseguidas de empurrar para os outros aquilo que eles próprios praticam até à exaustão. RM encarna actualmente e de uma forma fiel esse espírito do empurra.

Fazendo jus a alguns temas made in José Maria Pedroto – «Desunir para reinar», RM debruçou-se mais uma vez sobre o Benfica na tentativa de achincalhar algumas figuras. Mesmo que não pegue, há sempre uns quantos doentes pintistas que absorvem o mote e os argumentos daquela misologia.

Manifestamente satisfeito pelo período de revolta benfiquista, RM defende a tese que o «FC Porto só incomoda por ser vencedor», quando de momento o cenário que a máquina de comunicação benfiquista traz ao adro é ligeiramente diferente; «O FC Porto incomoda da forma como é vendedor». Pois! Como Luis Fialho escreveu de uma forma assaz correcta, no semanário ‘O Benfica’: «O FCPorto não reconquistou o título. Deram-lho! O Benfica não o perdeu. Roubaram-lho!». Que admirável síntese!

Batotas aparte ou nem tanto, RM levanta a habitual poeira para os benfiquistas divergirem sobre o que se passa no seio do clube, designadamente as «opções de Jorge Jesus que deviam ter sido mais responsáveis» em relação ao plantel cansado, como não podia deixar de ser o «Benfica de início de época» voltou a ser chamado como forma de chegar até ao planeamento e não bastasse, também Roberto. Que supremo gozo!

Porque o forté de RM é mesmo arbitragens, ficámos a saber que no golo do Benfica o livre que castigou falta de Kaká sobre Cardozo não existe, Javi agride efectivamente Alan, Maxi deveria ter sido expulso após a entrada sobre Ukra, enfim, conseguiu ultrapassar desta feita o espanhol que garatuja no jornal ‘O Jogo’. Avaliando esta como outras tiradas de pintistas e do pinto-maior, concluímos sem o menor esforço que passou a haver uma barreira de fogo de artifício tendente a considerar que Xistra e seus muchachos, fizeram no Axa a arbitragem do ano, para tentar que a opinião pública conclua que o FCPorto foi um justo vencedor e até nem beneficiou das arbitragens... Só não percebemos de todo é como Xistra foi depois parar à jarra... A propósito quando é que José Cardinal é outra vez homenageado na AFPorto?

Por falar em arbitragens, rendidos que estamos à sensibilidade de RM na matéria, gostaríamos de lhe perguntar a interpretação que faz ao momento-chave da Liga 2008-2009, por sinal aquela em que o FC Porto se viria a sagrar campeão pela ultima vez, e à custa do Benfica, porque não dizê-lo? Aqui fica o lance (clique aqui para ver o vídeo). Se o Benfica vencesse no Dragão, certo é que passaria para a frente da classificação, e sabemos bem o que isso significaria para a massa adepta encarnada, veja-se 2004/2005... Mas se calhar o alarido em torno da Taça Lucílio Baptista era um assunto mais premente... Foi um fogo de artifício interessante...

Interessante não deixa de ser também a veemente renúncia em regressar ao passado, ainda se vai falando de hegemonia portista, da Taça dos Campeões Europeus conquistada em 1987, mas o que que seria louvável era mesmo os Arquivos da RTP, do jornal A Bola, Record, e outros, permitir ao mundo futeboleiro tirar as suas próprias conclusões, apenas isso, sem quaisquer autos de fé.

Mas de volta a Jorge Jesus, não fosse ele uma espinha atravessada na garganta dos pintistas, RM defende que a vontade demonstrada pelos guerreiros do Minho teve origem nas palavras do próprio técnico benfiquista quando disse que seria o «jogo do ano do SC Braga». O que segundo RM não só faz JJ um incompetente na gestão do plantel, como é fraco nos mind games. Admitimos que sim, mas não nesses items. Onde parece que ele é manifestamente incompetente é na gestão dos greens que existem com abundância no eixo Porto-Braga, isso e não se saber esquivar de isqueiros certeiros no Dragão.

Como não podia deixar de ser, não faltou sequer um flash back com vértice no benfiquista Ricardo Costa, para explicar o porquê do SC Braga não ter sido campeão na época transacta. De facto, a azia de os bracarenses terem ficado à frente do FCPorto e este ter perdido o seu lugar cativo na Champions League, deve ter custado muito aos pintistas e para RM em especial, depois de tanto se ter afadigado na defesa da urbe! Se ainda o Benfica não fosse campeão, como em 2000, 2001, 2002...

Não bastasse esta miscelânia de incompetência e favores aos encarnados, já depois de fazer de Guarda Abel a Pinto da Costa na tal temática das «bruxarias» e «estrelas», ainda acrescenta que o Benfica queima os árbitros que não lhe facilitam a vida... Deve ser por isso que os internacionais são e têm sido quem são - competência... oblige...

E falando de competência, porque foi por isso que chegou onde chegou, não faltou no artigo de RM o empurrãozinho ao expert Pedro Henriques, que na TVI vai demonstrando ter um critério parecido com o seu, ou seja, capaz de vender o peixe que esta Liga é sem espinhas. Felizmente temos o Youtube... e memória...

Mas porque RM até escreve sobre o FC Porto de vez em quando – salvo seja – soubemos que o Vitória de Guimarães, contrariamente à «equipa macia na Luz», foi ao Dragão bater o pé ao líder apenas e só porque Jorge Sousa não fez uma boa arbitragem como fez Xistra em Braga, e foi contemporizando com as entradas mais viris dos jogadores vimaranenses sobre os portistas. Sendo que o primeiro teve nota 7 e o segundo pode dizer que a nota 3 é lisonjeira, não faltou o achincalhamento de RM à Direcção do Vitória pelo Comunicado emitido, tão pouco o reparo pelos «fracos argumentos» de Manuel Machado, não belisquem o mérito das arbitr... perdão, do FC Porto!

Felizmente que RM prima pelo desportivismo e a par do que se passa em relação à minoria de bloqueio também está preocupado com o Ranking do Futebol Português, felizmente portanto, «Até o Benfica ganhou ao Paris St. Germain». Pois ganhou, com outra grande e espectacular arbitragem! Será que o senhor Kravolec viu em acção as vedetas da arbitragem portuguesa - Machado, Benquerença, El Mano, Sousa, Xistra, Marcelino ou Cardinal, os tais que provavelmente no fim da época serão justamente homenageados na Avenida dos Aliados numa acção concertada entre a AFPorto e o pinto-maior? Ah... e não se esqueçam que aquele bandeirinha com nome de circo atingiu o limite de idade. É para não se esquecerem da inscrição na medalha...

Ficamo-nos por aqui para evitar mais poluição!


Social Networks Artigo Original I | II | Comentários | Página Anterior Bookmark and Share  







Artigo Opinião
Siga-nos no:
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Facebook
RSS


   
Web Design & SEO by ViviDelux