Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares

Votação Anti Todos ao Estádio! Qual Arbitragem? Seara Alheia Tesourinhos Artigos de Opinião Disparates Lapidares


Outros Canais Anti-Benfiquismo Disparates Lapidares Artigos de Opinião
 
Artigos de Opinião

Novas curiosidades
18 de Janeiro de 2012




1. Mais uma novidade a juntar a outras, como foram os casos de pintar a relva ou a decoração simpática do túnel de acesso ao balneário das equipas visitantes. O que pensávamos ter sido uma gafe de Luís Duque, quando após o SCBraga-Sporting disse «(...) quero lembrar que os nossos objectivos inicialmente traçados eram aproximarmo-nos dos grandes (...)», é afinal o novo mote em Alvalade. Em conferência de imprensa, Domingos reforçou a palavra do administrador da SAD leonina; «Temos de mudar muitas coisas para voltar a ser grandes». O Sporting sempre na vanguarda, resta apenas saber como é que os adeptos reagem a esta... metamorfose.

2. Tinha tudo para correr normalmente. Em Junho de 2011 o jogador Enzo Pérez, então entre os pré-convocados argentinos para disputar a Copa América, estava radiante e em declarações ao jornal argentino Olé, assumia que o seu ingresso no Benfica era "um grande passo na carreira", e seria uma honra jogar com dois dos seus ídolos: Aimar e Saviola. Também os Estudiantes e como não podia deixar de faltar, Miguel Pires – com negócios num passado recente com o Benfica, interessados em realizar dinheiro, facilitariam a transferência do extremo para a Luz. Algumas dificuldades na adaptação e um natural aproveitamento da situação por parte de Estudiantes e de Miguel Pires – que chegou inclusive a extremos como se subentende pelas mentiras em torno do congelamento do ordenado por parte do Benfica, e de outros caça-tesouros como Luciano Nicotra e Ciro Sanchez, conduziram ao extremar de posições, que no final apenas prejudicou o Benfica e o próprio atleta. Mais uma situação de puro oportunismo.

3. O negócio Danilo continua a surpreender tudo e todos. Apesar de lhe faltar mediatismo – ao fim ao cabo foi um jogador comprado pela «estrutura de sonho» e não pelo Benfica – motivos de interesse não faltam; aos sonantes 13 milhões inicialmente divulgados, acresceram ainda comissões no valor de sensivelmente 4,8 milhões como o R&C dos azuis demonstrou e, como se isso não bastasse, a tomada de posição de força do Santos por via do não pagamento, originou ainda que o contra-peso Jorge Fucile rumasse ao Brasil, com os salários e o empréstimo totalmente suportado pelos azuis e brancos. Deve ser da «veia negocial»...

4. Continuam a dar que falar, as promessas eleitorais do novo presidente da Liga de Clubes Mário Figueiredo de aumento da I Liga para 18 clubes e que, como ressaltou demasiado evidente, lhe valeram a eleição, numa situação (mais uma) de puro oportunismo. É assim o futebol português que nunca obedece a uma estratégia consentânea com o verdadeiro interesse no desenvolvimento e progresso do futebol, mas apenas e só a lógicas eleitoralistas para satisfazer quintinhas, tal como sempre aconteceu. Daí o frequente marasmo que vivemos. Por mais que nos esforcemos só vislumbramos a possibilidade de ir de encontro a clientelas, pelo que não vemos qualquer positivismo na medida anunciada e que ainda por cima quer alterar as regras a meio do jogo, pois é um claro regresso ao passado, com clubes que nem estruturas têm para debutar na Liga Orangina a querer à viva força disputar o campeonato da I Liga. Esta medida, a ir para a frente, virá baixar de novo o nível do futebol português e não irá certamente acrescentar assistências. Pelo contrário, com toda a probabilidade, ainda irá baixá-las. Pedir bom senso será demasiado?

5. Na linha de proficuidade do futebol indígena em matérias desta génese, SC Braga e Sporting parecem estar particularmente assanhados. Valha-nos que não envolve o Benfica – o que não deixa de constituir novidade. Mal entendido segundo Mossoró e Hugo Viana, contudo subscrito pelo próprio Domingos Paciência que assentiu em relatar o sucedido e tecer loas à sua própria elevação, o técnico sportinguista parece não ter gostado particularmente da fogosidade com que os atletas supostamente lhe dedicaram a vitória no Axa; «Toma!». Apesar disso, com um indisfarçável  sorriso amarelo, acabou somente por incorrer no discurso que tanto criticara em Jorge Jesus, quando o acusava de chamar a si méritos pelo ano que passara em Braga. A Domingos preocupam mais as famosas sinergias sportinguistas, designadamente qualquer caramelo se sentir com legitimidade para meter a colher; «Muita gente que por aqui passou fala algo ressabiada», disse e bem, ao fim ao cabo, é sempre o mesmo fado. Já Leonardo Jardim aceitou o mote dos «ataques ao SC Braga» e retorquiu; «é algo que me deixa surpreendido mas também feliz porque o SC Braga venceu em campo, é terceiro classificado e psicologicamente está a criar alguma agitação». Quid pro quo...




Social Networks Página Anterior | Topo Bookmark and Share  






Artigo Opinião
Siga-nos no:
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Facebook
RSS


   
Web Design & SEO by ViviDelux